Arquivo

Posts Tagged ‘verdades’

Ode aos Fakes.

setembro 18, 2011 5 comentários

Meus caros, muitos devem ter notado como sou efusivo neste blog em debater, e sobretudo agredir aos FAKES que nos comentam. Ao certo, eh muito comum eu deixá-los com bastante ira, e ateh mesmo os deixando ser nossos maiores seguidores.

Afinal o blog eh muito mais visitado por perseguidores do que por seguidores, e nosso claro objetivo eh simplemente insultá-los, gratuitamente, na finalidade de gerar arte, humor e entretenimento.

Esse texto em si eh um convite pra algum fake estupido vir apanhar nos comentarios, naturalmente.

Mas logico, vou deixar isso muito claro, nao se trata do nosso especial leitor(a) Jonnhy, unico FAKE respeitavel por sua historia aqui nesse blog, o resto eh resto.

Esses ae fans de Michael Jackson, Os que comentam nos topicos eu odeio viado, como o caso de um babaca chamado eh nois na fita que apareceu recentemente e eh ele mesmo que quero provocar e agredir.

Mas ele nao eh o ultimo nem o primeiro. E que meu cumpadi Gafanhoto das candongas, que deus o tenha, que nao pense que eh com ele, que essa peleja aqui eh com a imbecilidade que reina na internet.

Vamos ao motivo do quixotesco comportamento que proponho; Em primeira mão, esses trolls, como popularmente ficaram conhecidos ao redor do mundo internáutico são uns merdas desocupados com sérios problemas psicológicos, e de autoestima… Eu ateh entendo, como o cara vai ter auto-estima se ele eh um merda ?

Bem, faço isso apenas com a finalidade de gerar a catarse, e o tumulto, e que venha a verborréia.

Anúncios

Fala meu mestre !

Homus Economicus

março 22, 2011 7 comentários

Se você é uma pessoa que gosta de curtir a vida e sair com os amigos de vez em quando, como eu, pode se assustar com essa conta que pensei outro dia e que tem até me ajudado a parar de fumar. 
A última coisa que quero aqui é entrar em méritos morais sobre como cada pessoa leva sua vida. O que pretendo mesmo é pensar financeiramente, pois pode ser útil. Também não sou nenhum matemático, então pensei em uma conta relativamente baixa e simples:

– Todo mundo merece sair ao menos uma vez na semana e ir a algum lugar – esses geralmente cobram entrada. Nesse lugar, você ainda bebe. Então, pensemos que se você sair apenas uma vez na semana, pagar 10 reais para entrar e consumir umas 4 a 5 cervejas, você gasta em média RS 40,00 (conheço gente que gasta R$ 100,00 por noite e mais de uma vez na semana);

-Se você é um cara que fuma, como eu, pensemos numa carteira de 4 reais por dia (visto que você pode fumar menos, mas pode escolher uma carteira mais cara, ou então, no fim de semana, um monte de amigos fumam do seu cigarro).

Só isso! Quero me ater somente nessas três coisas: entrada de festa (10 reais é barato hein), cigarro (cigarro mais ou menos) e cerveja (sem incluir outras bebidas).

Por mês, você irá gastar R$ 120,00 em cigarro e R$ 160,00 em cerveja e entradas. Somando dá: R$ 280,00. Barato? Acho que não.

Multiplicando por 12 meses a conta sobe para R$ 3.160,00 por ano. Em 5 anos, você pode comprar um carro (R$ 15.800,00)! Melhor do que isso, se esse dinheiro for investido em bolsa de valores, pode aumentar exponencialmente.

Pensemos assim: ninguém vai ficar 5 anos sem dar umas saídas, mas quando não o fizer poderia se recompensar se dando essa grana não gasta, não é?

Isso tudo pode significar um grande prazer, condordo, mas estive pensando seriamente em testar essa economia. Enfim, a questão aqui é só compartilhar o óbvio que a gente não vê. No final das contas, isso é o que Bourdieu chama de poder simbólico: uma reprodução sem conhecimento, ou nas suas próprias palavras, “restituir à doxa seu caráter paradoxal”.

Em defesa da Honra, da Moral e dos Bons costumes da Família Brasileira.

novembro 23, 2010 2 comentários

Ditado por Hernéstimo Próvio, Do lado direito de Nossa Senhora das Canduras;

“As favas os modernos, e as odes aos contemporâneos. Que jorrem sólidas as jactâncias, que soletrem pútrefes os analfabetismos crônicos. Que não me entendam os desentendidos. O que importa que vim.

Vim do além com a missão, de vir e voltar, de maneira rápida mas significante.

Não existiria sentido em alcançar confirmação de tamanha sabedoria explícita, se não pudesse regozijar-me ao ponto máximo de atingir o extase de professar tal boa nova.

Eis, que volto dos aléns, transmitindo em saltos quanticos minha telepatia mais celestrial do mundo. Vim defender os verdadeiros valores, da moral e da Familia Brasileira.

Primeiro item; A balburdia dos sacramentos.

A modernidade, parece que se esqueceu, ou resolveu impor que somos mesmo um país de selvagens sem religião. Isso aqui é um país de DIREITA. Um país católico. Os jesúitas é que fundaram essa patria, e livraram o povo indio do sofrimento de uma vida no abandono do mato.

Levaram Cristo aos povos do além-mar, e formaram uma familia cristã, baseada numa rígida moralidade de obediência aos sacramentos da Igreja Santa.

Longe dos tumultos políticos e militares da Europa, quando surgiam estas novas ceitas protestantes que hoje se proliferam como o mosquito da Dengue em nossa sociedade. A reforma protestante, ficou longe da Familia Brasileira.

1missaw 

Eis que quando ela surgiu, a principio, foi mui moral e digna.

Há de se reparar, que logo no periodo do descobrimento, a sacanagem em si era pouca, pois os homens de bordo eram muito castos, todos com suas amadas em portugal, muito fedidos igualmente, e mal cuidados depois de meses de travessia, e não faziam questão de dormir com as selvagens… eis que voltaram a Portugal, e ficou um homem por cá.

Este ai que se viciou na lascividade, e promiscuiu toda uma nação, e degenerou o bom sentimento que surgiu aqui no momento de aliança da inocencia do selvagem com a benevolencia do cristão colonizador pacifico.

O escravo nesse primeiro contato não era de tal modo como indio. O escravo na europa, em Roma ou na Grécia da Antiguidade Clássica, escravizavam o povo inimigo e o seu exército. O mesmo se deu posteriormente. Os negros, todos escravizados, mas a Igreja sempre contraria a isso.

Não havia controle da igreja sobre o caos que era a África dominada por Piratas de todas nacionalidades daquele século, mas sobre o Novo Mundo sim, e por isso somos um país de moral cristã.

Todo brasileiro é Cristão. cristo-redentor-rio-de-janeiro

E quem fez questão de difamar a igreja na nossa sociedade?

Os professores de história e geografia do ensino médio, e os professores das universidades federais da área de humanas.

Impregnam com uma cartilha socialista com suas demagogias sociais uma instituição puríssima que sempre louvou por um país baseado na decência dos costumes.

Primeiro sacramento balburdiado é o matrimonio. Foi praticamente extinto nessa sociedade moderna em que vivem.

O que chamam matrimonio, se tornou no vulgar, casamento, que mais parece uma sociedade de divisão de contas e de filhos, e não o que prega a  moral ensinada pela santa igreja.

Os valores de uma sociedade construida as margens do liberalismo economico, pode atraves dessa busca desmedida pelo lucro acima do bem, ser uma arma, uma forma de malignas influencias virem querer desestruturar nossa moral.

O crime, a droga, a prostituição e o comunismo, são os piores exemplos.

E foi na igreja que esses comunistas conseguiram afinal o aval para serem o que são. Foi a igreja que intercedeu por eles, quando resolveram os prender primeiro. Afinal, eles diziam, vamos roubar tua propriedade, e ai prenderam , porque afinal roubar é crime.

E a moral da familia se perdeu porque ficou um do navio dos primeiros portugueses, e esse um que ficou se aproveitou do antigo costume da hospitalidade tupinambá… ele acabou por fazer mais de 2 500 mamaluquinhos de filhos, e quando a portugada voltou, ja tinha um pais só de netinho do camarada.

O nome dele é João.

Ele não era padre, mas o chamavam de Padre João. Ou melhor, PRESTE JOÃO.

O Bispo Otto, do Impérador Frederico Barba Ruiva,o chamou de Presbyter Johanes.

E cá ao Brasil ele veio cumprir sua profecia santa, no entanto; DESVIOU-SE.

Perdeu a virgindade com um boto, e já no fim de sua vida, morando na Paraíba, comeu o Bispo Sardinha sem saber de que se trata-va de um importante evento da antropofagia mundial.

Foi assim o declínio da moral. Foi comendo o Bispo Sardinha e no meio de rituais como a antropofagia, mas a principio havia familia e ela foi retomada logo no periodo canibal3

Oh Luis Henrique, vc tem de ler esse blog porra, é em defesa dos  valores burgueses intelectuais trancendentais.

A familia brasileira, quando os país escolhiam o matrimônio viveu o seu auge de moralismo e boa conduta. Foi quando Brasil teve um Grande Império, e foi um país exemplo para o mundo.

Atualmente ainda somos o país mais católico do mundo, graças a Deus. Mas ao mesmo tempo a chaga da incredulidade tem se espalhado por nossos costumes. O que é uma ameaça voraz.

Então convoco tu oh homem de gentil fé. Levanta-te, e não deixe um professor comunista adotar o seu filho !

O jovem impelido pelos ardores dos homonios e do fogo dos trópicos acaba não escolhendo bem qual o matrimonio mais próprio pra  uma conduta de vida divina.

Por isso os pais tinham junto aos filhos a tarefa de escolher os parceiros de matrimônio, já que isso era um compromisso que ia de encontro a toda a familia brasileira.

Mas ai, a indecencia, e a promiscuidade contaminou essas terras, e o assanhamento reinou por conta dos homens de do mundo. Leia o Grande Sertão:Veredas, mas eu estrago logo o livro e conto o final, DIADORIN na verdade é uma MULHER.

Pois sim, a literatura brasileira, que hoje vive o seu auge, e eu noto que muitos, inclusive nesse blog, vem insinuando ma´lévolas contra essa prosperidade.

Vejamos de que se constitui nossa literatura, de Machado, um homem metafísico por si só, conhecido como Bruxo; Investigador da alma humana, e profundo teólogo.

Tivemos Vinicius como outro exemplo, educado no colégio Santo Inácio, que escrevia poemas ainda jovem com muito afinco. Sempre metafisico, acreditando na esperança, mesmo que em vida fossem ambos materialistas, em sua arte explandecia transcendencia…

paulo-coelho-participa-do-bate-papo-uol-1279824355562_615x300

E agora, o tão criticado, Paulo Coelho, que é místico bruxo e teólogo. Basicamente a crítica central ao seu texto é de que ele escreve mal e que tem erros de português, no mais, são de digitação e alguns pequenos descuidos. Nada grave que comprometa a estrutura semantica do texto, nem a integridade da mensagem.

Ele sim é um grande Gênio que defende a moral e os valores cristãos da literatura brasileira, e tem levado nossa literatura a onde nunca ela chegou. É o autor brasileiro mais lido de todos os tempos, e o mais lido em todos os paises do mundo, sua bibliografia é uma das mais vastas em romances, contos, cronicas, diários, teses e estudos pessoais…

É um homem discreto. Participou ativamente do maior fenomeno do ROCK BRASILEIRO.

Vendeu a alma pro diabo ? Sim, vendeu, mas depois se converteu, e jesus perdoa. Hoje em dia ele ajoelha e beija o anel do papa.

Oras, que ensinemos nossa juventude a ler o Paulo Coelho, que leiam Veronica decide morrer, ao invez de ficarem dançando o créu.

Que leiam o alguimista, pra que não busquem a felicidade tão distantemente, sabendo queela pode estar proxima. Sim, leia o Diario do Mago e aprenda o exercício da semente, e tente fazer ai na sua casa, que é muito divertido.

Mas isso tudo de bruxaria, é tudo pra enganar o trouxa, o da fé frouxa.

O homem verdadeiro lê essa brilhante literatura e diz, há, ELE ESTÁ ZOMBANDO DE TODOS.

Mas não, ele está ensinando o verdadeiro caminho da humildade e da simplicidade, e depois do nosso tempo sempre será lembrado pelos seus inevitaveis feitos.

Incluindo, viu o disco voador. Fenomeno do qual a Ufologia Brasileira se vangloria internacionalmente pelos créditos ilimitados.

Sim, mas agora não tem volta mais… quem vai meter na cabeça dessa juventude que só pensa em “ficar” o conceito de que somos o maior país católico do mundo. Po, essa juventude tem de pagar mais promessas e comer menos gordura.

Deveriamos obedecer novamente, pelo menos com mais rigor o calendário católico, e proibir o católico não praticante. Obrigar o católico a praticar sua fé, nem que seja através do futebol.

Paulo Coelho sim é um intelectual literato bruxo metafisicamente genial. Quando ele escreveu Monte Cinco, livro que a maioria dos infelizes invejosos que o criticam mal sabem do que se trata, ele passou 40 dias em jejum, só a pão e água pra conceber a missão. E ele conseguiu inclusive falar com Elias. Sim, Elias o profeta.

O livro é simplesmente a saga do profeta romanceado, na qual ele vence as batalhas impossiveis de cerem vencidas, na qual ele consegue sustentar cercos dificilimos. A narração histórica é de uma grande valia, e a preciosidade das cenas de um combate só podem ser de um grande literato, mas o mundo não lê e critica sem ler, e sem entender o mínimo de cultura universal, e por isso, esse Genio que é adorado no mundo inteiro por todos, só não é respeitado aqui em nosso país, e digo com facilidade o motivo.

Ele não é um homem de esquerda, e não é ateu.

Existe uma modinha, uma tendencia a ser ou ateu ou de esquerda, e quem não for que morra. Fuzilado, preconceituado, ou de qualquer forma. E se comer carne deve morrer junto.

O correto, para um certo tipo de doente social doutrinado ai pelas vias do descuido com a fé católica, é aquele que é vegetariano comunista e ateu. Em um tempo remoto, isso tudo já deu cadeia.

O que querem estes incrédulos ? Transformar essa nação num prostíbulo ? Querem envenenar nossas meninas, afeminar nossos rapazes ? Querem nos convencer ao incesto ? A  imoralidade da  corrupção ?

Não, não aceitamos os padres pedófilos, e os lideres sem terra. Não queremos padre em passeata nem feminista sem calcinha.

Tem o homem de honra o direito de indignar-se.

E que fiquem com Deus, na paz de Cristo.”

Amén…

As Cadeiras da Verdade.

Eis que eu em um passe de mágica pegue a verdade e a transforme em uma cadeira. E assim vos diga, que construímos nossas verdades como fazemos nossas cadeiras. As verdades são como cadeiras que fabricamos para o nosso uso.

Pois a principal questão, que há uma dança das cadeiras, na qual diferente do jogo infantil se sobre um jogador que fique sem uma verdade.

Se a verdade eh um jogo de cadeiras, digamos que os jogadores são finitos e as cadeiras infinitas… Quem aqui sobre são cadeiras que ficam sem jogadores, como o fato de ninguém mais adorar como verdade um Deus esquecido de uma língua morta de uma etnia ainda sequer descoberta pela humanidade de nosso tempo ?

Muitas cadeiras são as verdades que o mundo nos oferece, e poucos somos os indivíduos que nelas escolheremos aonde repousarmos em nossos momentos de dúvidas, e onde iremos relaxar no momento de sossego.

O problema dos desentendimentos de raciocínios é justamente o de querer adequar a verdade de uma cadeira às demais cadeiras, como se a verdade não fosse uma cadeira, mas uma ordem.

cadeiras_balanco

Assim, a verdade ordena absoluta e imperiosa, supostamente, a verdade da razão. Existe uma verdade, maior, que é a verdade que está no interior do homem …eis que ela ordena, puna a injustiça, condene a perversidade, faça isso ou aquilo.

Vou dar o exemplo, talvez mais polemico das verdades. O exemplo de verdade que tem base no que chamamos de IDEOLOGIA.

Imagine pra alguém criado em uma ideologia CRISTÃ OCIDENTAL CAPITALISTA, o que representaria uma vida baseada na economia de subsistência? Em um exemplo bem simples, a patricinha pode adorar lagostas, mas dificilmente se convencerá a pescar uma com sua força de trabalho.

Precisamos pra entender as verdades, e as cadeiras, saber o que é a ideologia, que seria basicamente o material do qual as cadeiras são construídos.

Supomos que temos cadeiras feitas na Amazônia e outras na região sudeste.

Muitas madeiras amazônicas são usadas pro corte, e muitas da mata atlântica igualmente. E há também cadeiras de plástico, de alumínio, e porque não, uma cadeira de cristal, ou revestida de ouro e de preciosidades ?

privada

No fim, se todas as cadeiras são verdades, o que pode impedir um homem cansado de se sentar em uma cadeira velha e esfarrapada cheia de cupins ? Só porque existe uma cadeira mais confortável que não lhe é acessível ? E se for acessível ainda, porque o homem não pode optar pelo que melhor lhe convém, quem lhe impõe uma cadeira pra se sentar ao longo de toda uma vida ?

Eis as verdades que são cadeiras de ordem. As ordens que são vistas como verdades, são a moral cega e distante da ética.

Se eu digo matar é errado, eu posso estar dizendo que deixar que matem eh certo. Se dizem que devemos preservar a vida, devemos saber que vida queremos preservar, das bactérias, dos vírus, das pestes da lavoura, os mosquitos da dengue ? Devemos sim destruir a parte da natureza que nos ameaça, se sentarmos em outra cadeira.

As cadeiras são feitas de um material ideológico tecido pelo tempo. O comportamento humano reproduz tais costumes de maneira tão eficiente, que um ancião reconhece um antepassado seu em uma simples criança, e não necessariamente por semelhança genética… “O jeito de rir é igual ao do avô, mas o olhar é como o da mãe”…

Não obstante, esse apanhado ideológico, não é algo que se dá em uma esfera individual apenas, e se assemelha muito a LINGUAGEM.

A linguagem e a ideologia estão completamente ligadas em seus conceitos, e uma não funciona sem a outra.

Existe um erro comum, de se pensar, que palavras significam determinadas coisas, quando na realidade da linguagem humana, uma palavra pode significar inclusive coisas que ela nunca  significou antes dependendo do contexto. E que uma mesma palavra, posta em um contexto diferente ou sendo interpretada por um sujeito de ideologia diferente, podem ser distintas por si só.

Por exemplo, imagine alguém de ideologia futebolística Flamenguista, gritando na torcida ideológica fanática do Vasco a expressão vulgar “TOMA NO CU BACALHAU”.

Se o sujeito grita isso e é escutado pelos flamenguistas, eles entendem, ele é dos nossos. No outro caso eles entendem, “Vamo matar esse filho da puta urubu safado”.

Então se Estados Unidos da América pode significar o sonho da jovem consumista, pode significar o demônio destruindo o islã, dependendo em que cadeira queira se sentar.

No entanto, existe a cadeira das verdades científicas, e dentro delas, uma série de cadeiras de diversas áreas. A verdade cientifica, no entanto se destaca das demais por conseguir resultados práticos sobre o que se propõe a fazer, que é decifrar a objetividade da matéria. Nisso a cadeira cientifica, consegue, por  uma questão de prática se demonstrar superior as demais. Assim, que isso não impede de maneira alguma, que outras cadeiras, não cientificas tenham validades, des de que sentadas em si mesmas.

O erro mais comum que ocorre, é quando querem impor uma verdade de uma cadeira não cientifica, para todas as cadeiras demais.

Assim, a verdade é como uma ordem. Mas veja, o soldado passa  a vida inteira recebendo ordens, que marche, que mate, que não morra. Mas não porque veja nelas a verdade; A verdade dos soldados na guerra é que geralmente estão cansados e famintos, que tem saudade de suas mulheres, e querem voltar o quanto antes pra casa.

Não há sentido em arbitrariedades. Mas veja bem, a terra é redonda não é ?

Da cadeira científica não pode ser considerada perfeitamente redonda.E de muitas não cientificas também. Mas não existem cadeiras nas quais a terra possivelmente não seja redonda? Ela não é oval? Ela é plana ? As cadeiras nos dão mais verdades.

Se em uma cadeira, na que sentamos todos os dias, nos digam assim, O egoísmo é a pessoa fazer o que bem quer e só pensar em si.

Eu de minha cadeira, diria que discordo, e que acho que isso não é egoísmo, mas puramente inteligência. O egoísmo a meu ver não é agir como se bem entende em proveito próprio, mas exigir que os outros ajam como você bem entende que é correto para o seu proveito próprio.

O egoísta não é o que controla a si mesmo, mas o que controla aos outros. Adote um cão.

As cadeiras teológicas por sua vez, não são do mesmo material das cadeiras científicas, então não deveriam sequer se mencionar. Em uma cadeira, se discute o oposto da outra, ao certo. Se na ciencia se discute matéria, na teologia geralmente o espírito; Se numa a REALIDADE, na outra justamente a TRANSCEDENTALIDADE. Se uma busca explicações pro mundo EXTERIOR, a outra em geral é de investigação INTERIOR. Se uma é formada de LEIS GERAIS, a outra é formada de CONSCIENCIA INDIVIDUAL.

Quando eu vejo dizerem que religião e ciência devem fazer as pazes, como sugere o comercial da TV FUTURA, eu simplesmente acho que a burrice de misturar as cadeiras  está justamente ai, não há como fazer pazes, se não há guerra.

Uma cadeira teológica não vai discutir assunto científico e vice versa. E isso basta. O erro está justamente, no fato de muitos quererem impor a verdade de uma cadeira em outra, geralmente por motivos POLÍTICOS.

Nesse caso meus amigos, a verdade é como as cadeiras, e sobram cadeiras pelo mundo, e graças a Deus.  E não temos de ficar a vida inteira sentados na mesma cadeira, nem devemos sentar nelas por ordem, muito menos querer misturar as cadeiras, que são diferentes em si.

Mas afinal, o que eu ainda não sei bem, é o que diabos é a verdade afinal?

Apagando incêndio com gasolina.


Esse texto é meu resumo sobre o tema status e formalismo acadêmico, iniciado pelos meus colegas NM, ROSA e Gafanhoto.
Começarei pelas colocações de gafanhoto sobre o texto do ROSA.
“O status que um ícone carrega funciona organicamente, pois não vêm dele e é inerente à sua vontade.” – Ahn? O status eh o icone que carrega, o status eh nascido do icone, porem o status nao vem do icone? – “Mas baseado em que um ícone ganha status?” – Icone ganhar status? Voce nao queria dizer baseado em que pessoas ganham status? Ora, porque, icone ja eh icone, ja com status e tudo! – “Stephen Hawking não ganhou status por falar através de uma cadeira de rodas, e sim pela sua contribuição ao mundo da física teórica.” – Minha opiniao eh que ele eh um retartado mental que esta sempre sorrindo, que colocaram numa cadeira de rodas high-tech programada para dizer aquelas teorias todas para formar a opiniao da massa, sobre o que eh essa porra toda. Ele ficou demente depois do AVC, mas ai que virou autor best-seller. – “Porém não é só esse círculo que o reconhece como ícone, qualquer pessoa que conheça sua reputação, legitimada por pessoas capazes de julgá-lo, passa a respeitá-lo como ícone no mundo da física.” – Seu maior merito foi conseguir vender tanta abobrinha, depois de ter se tornado um vegetal. Para respeita-lo como icone, basta saber que ele eh um best-seller e professor da Cambridge.”
—— Wikipedia logo existo;
Vamos refletir sobre o exemplo “furado” de Stephen Hawking. NM meu caro amigo, de certa forma está mais a brincar com a seriedade do nobre amigo Rosa;
Se ninguém que se leve a sério mereça ser desrespeitado, eu como nobre merda e babaca academicista, não posso me curvar deste meu privilégio de diplomado para abrir ao tema diplomaticamente em uma concordância mutua ,excluindo óbviamente as coleções de falácias (Que tanto conhecemos muito bem e as usamos com muito gosto para irritar os nossos interlocutores, não é mesmo NM);
Se o centro da discussão é o valor de um diploma para o status social, o Rosa vai estar completamente correto embora a realidade talvez nos seja suja, mas é o que ela é. Existe de fato essas generalizações e óbvio que um diplomado um doutor em harvard sempe terá mais autoridade sobre o assunto de seu trabalho do que um cachaceiro do buteco da esquina; No mundo acadêmico e nos que se fiam nele; Provavelmente jogando na casa do interlocutor, isso é, no buteco, a seriedade das solenidades academicas, e muito menos as regras lógicas, empíricas, filosóficas e metodológicas caem por água a baixo;
Tratamos de duas fontes de legitimidade social; A formal e a informal;
Uma não anula a outra, e de certa forma nem dialogam;
NM diria que o exemplo de Hawkins é furado pelo seguinte motivo; “O exemplo de Hawking foi furado, além do cara não ter alguma glória acadêmia, nunca a buscou. A adquiriu em vida e por seus trabalhos com relação a física, e não atrás apenas do diploma de qualquer faculdade”
A conclusão de NM é que o exemplo usado é inválido, certificada antes das premissas. Utilizará então, com 3 premissas. Duas contraditórias e um teceira legitima; O que em nos termos formais da lógica academica invalida sua conclusão nos debates formais; O que não significa nada no botequim, onde qualquer contra argumentação pode ser respondida com foda-se babaca e fodam-se as babaquices;

A premissa primeira que entrará em contradição com a segunda é que ele nunca nem buscou, nem teve glória academica alguma; Isso é falso, ele tem muitas glórias academicas, e possivelmente seja um dos vivos mais premiados internacionalmente no meio científico. Na wikipedia podemos encontrar alguns de seus títulos mais importantes e prêmios de reconhecimento. Eu imagino que se ele não buscasse conhecimento ele podia muito bem escrever todas suas teorias no anonimato. Ele nitidamente não só buscou o conhecimento, não no boteco da esquina, mas nas vias formais academicas, provavelmente com muito boas notas;
• 1975 – Medalha de “Eddington”.
• 1976 – Medalha de “Hughes” da Royal Society.
• 1979 – Medalha Albert Einstein.
• 1982 – Ordem do Império Britânico (Comandante).
• 1985 – Medalha de ouro da Royal Astronomical Society.
• 1986 – Membro da Pontifícia Academia das Ciências.
• 1988 – Prêmio em Física da Fundação Wolf.
• 1989 – Prêmio “Príncipe das Astúrias” da Concórdia (contribuição à paz, entendimento, etc.).
• 1989 – Título de “Companheiro de Honra”, da Rainha Elizabeth II.
• 1999 – Prêmio “Julius Edgar Lilienfeld” da Sociedade Americana de Física.
• 2003 – Prêmio “Michelson Morley” da Case Western Reserve University.
• 2006 – Medalha Copley da Royal Society.
• 2009 – Medalha de “Presidential Medal of Freedom”
Agora convenhamos, sem graduação, não há a continuidade das etapas. Mas num botequim virtual como o nosso, o formalismo académico pode ser desmerecido e todo o trabalho de Hawking e sua contribuição pra ciência pode ser reduzida ao mesmo nível de opinião do gafanhoto, que o classifica como alguém que vendeu “muita besteira” só por ser cadeirante.
Provavelmente, Gafanhoto menospreza o formalismo académico, ou mesmo a importância da evolução científica humana; Ao que tudo indica, ele provavelmente ache que entende muito mais sobre o universo do que o autor; Desacredita na eficácia do método científico e na necessidade de formalismo para conhecimentos específicos.
A segunda premissa de NM, acaba por entrar em total contradição com a afirmativa falsa e igualmente contraditória em seus próprios termos;
Ele diz, que conseguiu sim tais méritos, mas “A adquiriu(Glória Acadêmica) em vida e por seus trabalhos com relação a física…”— Veja, se ele nunca teve glória academica, como ele pode a ter adquirido ? Primeiro, ele realmente teve e adquiriu gloria academica, ao contrário da primeira premissa, e naturalmente a buscou; Não que a glória seja a prioridade de sua vida, talvez nem o terapeuta dele saiba ao certo isso, mas que existe essa busca analisando suas breves conquistas bibliograficas e sua vida de total dedicação à ciência e ao conhecimento.
Informalmente, ele e eu somos uns babacas; Formalmente o babaca sou só eu;
De tal forma, o que fica claro, é que usar a informalidade pra avaliar questões formais é absolutamente legítimo, dentro da informalidade onde estamos. Dentro da academia essas leis de nada valem.
O exemplo do Hawking é válido academicamente, formalmente; O exemplo é inválido no boteco defeito colateral que manda se fuder as normas da ABNT e da moral e dos bons costumes da familia Brasileira;
No entanto, fica algo que formalmente tem um valor, mesmo sendo originario de uma teoria informal que ronda as mentes do inconformismo rebelde; Só o diploma não vale nada. Mas não vale nada nem no mundo academico; O diploma é apenas uma autorização pra trabalhar no meio científico, é como um catecismo da academia. Ele vai te apresentar aos conceitos iniciais, te explicar as áreas do saber, ensinar a metodologia, o histórico de sua disciplina, a superficialidade de todas áreas daquela disciplina; A faculdade, vai ser o cartão de entrada no mundo formal, a partir do momento que tirada a credencial, vc pode começar a ser um pesquisador. A Pós-graduação é que vai fazer com que a pessoa possa começar a pensar em pesquisar ;O mestrado foca mecanismos de como ensinar, isso é ser um mestre; Então no mestrado, você pesquisa oque outros escreveram e organiza de acordo com sua visão tudo o que foi levantado sobre o tema; Já o doutorado, é quando já tendo levantado suficientes dados, a pessoa já é capacitada formalmente a escrever suas próprias teses, podendo dar-se ao luxo de citar a si próprio;
Isto é, sem faculdade, graduação, mestrado, doutorado, jamais um cientista vai conseguir reconhecimento. Pois a ciência é principalmente pesquisa, e quem financia pesquisa, e quem formaliza e se responsabiliza pela formação da ciência são as universidades;
O que não quer dizer que não existam cientistas autodidatas, ou que o que eu sei e penso é porque eu me formei numa faculdade particular de letras, muito pelo contrário, nada isso contribuiu pra formar meu conhecimento. Na faculdade ganhei um documento, para me permitir, se um dia for minha vontade lecionar em nível médio e fundamental alguns conceitos básicos. Eu não tenho autoridade formal por exemplo, pra redigir teses academicas, embora possa muito bem redigi-las aqui em casa, mas em tese, não valeriam nada no mundo academico.
Se alguem reconhecesse valor nela, então me indicariam que com ela fizesse ou o mestrado ou o doutorado dependendo do óbvio do material que se tem em mãos.
Assim, parece absolutente pueril de maneira informal, e uma babaquice tremenda de maneira informal, querer discutir o óbvio. Já que opiniões pessoais não vão tirar o status dos doutores de Harvard;
Mas que fique claro algo, sem academia, sem formalismo, sem método; Sequer existe ciência.
O que não quer dizer, naturalmente que o sistema internacional de educação seja perfeito ou sequer bom. Ainda muito é preciso ser feito, a politicagem é um fato dos meios científicos. Os interesses economicos individuais outra realidade, tal como a corrupção e a falta de ética de quem tem um diploma e parece querer destruir toda a ciência construída;
Usar a autoridade do diploma para se dizer certo em um tema, formal e informalmente, é algo inválido. Se o sujeito diz, é verdade porque eu sou doutor formado em Harvard e você é um merda dependente; isso é um argumento falacioso. Apelo à autoridade.

Bom, agora se a discussão, gira em torno da necessidade humana por status, basta recorrermos formalmente ao que já foi pesquisado sobre o tema, e chegaremos a tão famosa Pirâmide de Maslow.
Pois o objetivo é demontrar as necesidades humanas em escala. Portanto, ele separa em cingo grandes grupos de necessidades, e só podemos querer uma necessidade do topo, quando já alcançamos a necessidade anterior. Então só vai querer status, quem tem ar pra respirar;
Status, nessa conotação é uma necessidade para poucos e para uma minoria que consegue realizar suas necessidades anteriores; Portanto se à alguém falta esse desejo, é que precisa provavelmente segundo a tabela de amor, amigos, familia ; Ou mesmo pode simplesmente ser falta de sexo.

Esse país não tem mais moral. Chapeuzinho.