Arquivo

Archive for the ‘Humor’ Category

Existe Deus?

agosto 6, 2011 27 comentários

Recentemente tive a oportunidade de viver um sonho infantil de andar de “montanha russa” em um parque de São Paulo que ficou conhecido há algum tempo por algumas tragédias resultantes de falta de reparos na estrutura dos brinquedos.

No entanto, mesmo com toda essa má fama, o parque estava tão lotado que a fila para chegar ao “meu brinquedo querido” demoraria mais de uma hora, segundo indicava uma placa.

Com isso, tive tempo para devanear, como de costume quando me vejo em: viagem, ônibus, lavando louça, escutando música… e o tema? Existe Deus?

Fique pensando sobre meus temores e dúvidas que preenchem minha cabeça desde que eu tinha meus 5 anos e chorava quando não conseguia acreditar no que minha mãe dizia: “Você vai pro céu, meu filho, existe algo além”. Pois é, eu já duvidava disso.

Pensei, pensei e tentava não pensar, pois nunca chego a uma explicação que acalente minha desconfiança. Deus seria uma força? Uma energia presente desde os átomos? Seria uma invenção para fazer as crianças – e os adultos – não entrarem em desespero? Um enigma contra o caos na sociedade? O resultado de uma marca constituinte dos primórdios da civilização?

Enfim eu me vejo, depois da fila enorme, subindo na montanha e ainda pensando sobre isso. Quando finalmente chega a hora em que o brinquedo está a um instante de descer a toda velocidade, as seguintes palavras saem da minha boca: “Ai meu Deus do céu!!!!!!!”

Quem precisa de um Tiririca quando temos o Jair Bolsonaro?!

maio 7, 2011 3 comentários

O deputado federal Jair Bolsonaro do Partido Progressista do Rio de Janeiro, diz que o próximo passo do STF será a legalização da pedofilia. Ele afirma isso como crítica à decisão do STF de ter reconhecido a união estável entre homossexuais.

Interessante não? Colocar a escolha de um parceiro sexual diferente da lógica “homem/mulher” ao lado da pedofilia.

O que mais esperar de uma pessoa que diz publicamente ser a favor da tortura “pro cara abrir o bico” e pensa que somos seres instintuais – pois quem acredita que o “núcleo familiar” deve ser composto unicamente por um homem e uma mulher, só pode estar vinculado a um posicionamento biologizante, ou então à idéias aristotélicas acerca da incompletude feminina, que esperaria a “bondade” de um homem para se ver “perfeita”.

Talvez eu esteja superestimando nosso caro político ao considerar que ele reflita sobre essas coisas. Então, acho simplesmente que deve haver um posicionamento militar: leia-se regido por regras inquestionáveis que eu não sei de onde vêm.
Sim, ele próprio é adepto de um regime militar no Brasil. Grande! Aplausos! É uma verdadeira PIADA!
Afinal de contas, quem precisa do palhaço tiririca quando temos o bolsonaro?

A mortalidade da alma, a independência do espírito e o retorno ao demiurgo.

No que crêem os que não crêem? Absolutamente, na sua profunda descrença. Descrer é um ato involuntário. Não se controla uma crença ou mesmo uma descrença.
Por exemplo, se ouvimos uma palavra, ou acreditamos nela ou não. Independente dos motivos.
“- Quem venceu a luta foi o mexicano Palomino Waldéz.”
Você acredita na frase acima ? Sim ou não, nossas crenças não ajudaram a responder se a frase é ou não verdadeira. Mas independente disso, antes de perguntarmos o horário da luta, o local e os demais detalhes do evento, e que possamos confirmar pela imprensa esportiva tal evento, ou ainda pela prefeitura ou governo do país realizador, ou pelas declarações dos patrocinadores. Bem, podemos isto é, investigar as procedências das afirmativas, pra saber se o que acreditamos ou descremos é alheio a realidade.
De tal modo, que o que se deixa claro, é que a crença vem antes de qualquer raciocínio e é algo tão intuitivo quando natural e até mesmo arbitrário.
Sempre sua crença se manifestará quando ouvir uma determinada sentença que se declare verdadeira.
Se alguém diz que o fogo queima, podemos acreditar sem nos queimar ou podemos nos queimar para crer, mas não podemos não crer que o fogo não queime por não ter sido queimado antes, ou mesmo se não soubéssemos de nenhum caso de queima.
O que for dito poderá ser acreditado ou não. Se eu digo, eu sou a Verdade e a Vida Eterna,você pode acreditar ou não nisso.
Pois muitos crêem, na imortalidade da alma, e inclusive muitos dos grandes pensadores da história, como Dostoievski, Platão, Descartes ou Paulo Coelho.
O seu raciocínio não é uniforme, mas deforme, pois não se trata em si de um raciocínio mas de uma crença em uma esperança.
Bem, crêem que a consciência de si, de maneira geral que caiba no discurso de todos os citados acima, sobre si, é a prova de que existe acima disso uma consciência maior e um propósito pra tal existência. E nisso, crêem que sua consciência é eterna e imortal. Isso é, se o corpo falecer, a memória, o raciocínio, a linguagem, os sentimentos, os sentidos, a criatividade, o juízo, a cognição, a cultura, e outras demais faculdades mentais, continuam intactas flutuando pelo espaço além do universo material que limita o conhecimento humano, segundo alegam tais gênios.
Eu não vou dizer que acredito nisso, e não acredito sem nem investigar.
Mas assim como no exemplo da luta de boxe, podemos investigar quais crenças vão conseguir se fundamentar dentro dos limites do raciocínio ordenado.

Pois então, resumindo, partem de que a imortalidade da alma é um fato, pelo seguinte raciocínio.
1 Eu existo e tenho consciência da minha existência, e do mundo no qual existo.
2 Eu identifico que outras consciências tais quais como a minha coexistam no mesmo mundo comum. Outros indivíduos e outras almas.
3 A maneira como me comporto em relação ao mundo e as outras almas é o que julga o valor da minha consciência espiritual.
4 Para tanto, se existem consciências que estão conscientes de si, é porque existe uma consciência maior que todas que organiza isso.
5 Então supuseram que poderiam existir uma ou mais consciências, isso é, um ou mais deuses criadores, e chegaram a conclusão de que no fim sempre um seria o maior e o mais poderoso e para tanto necessitaria ser um Deus de consciência com as seguintes características; Benevolente, onisciente, onipotente, eterno, imortal, transcendente e justo.
6 Com base nesses argumentos, então muitos começam a variar suas crenças nos pequenos detalhes de opções de comportamento moral. Mas a base de Judaísmo, Cristianismo e Islamismo, vão estar nessa imortalidade da alma, e nos demais conceitos de consciência, alma, espírito…
7 A principal base para tais conhecimentos não são as vias, científicas, filosóficas ou políticas, e sim a REVELAÇÃO DIVINA. Na qual Deus revela as verdades do mundo através de profetas, milagres, anjos, de artistas e da própria beleza da natureza.
8 De tal forma, nos foi revelado que tais condições assim funcionam, mas nem tudo foi revelado pois algumas coisas estão acima da capacidade de entendimento do homem e da humanidade.
E basicamente esse é o raciocínio perfeito, que tais gênios da humanidade sustentavam. É óbvio que mais do que crer em deus, as pessoas acreditam na imortalidade da própria alma, e a continuidade de uma existência posterior ao falecimento do corpo. Não que acreditem nisso por seguirem o mesmo resumo de raciocínio que tentei expor acima. E sim por doutrinação cultural, e não há nada de errado em crer nisso, nem tenho eu algo contra aos que crêem ou de que se creia no que quer que seja. Acho na verdade muito bonito algumas manifestações verdadeiras de fé.
Pois sim, uma inteligência ordenadora é quem foi responsável por toda essa desordem que é a realidade que vivemos. Chamem essa inteligência de Deus, de Demiurgo, do que for.
Então, a questão, vai se resumir a uma única coisa, o universo tem vida inteligente? Os movimentos são coordenados por um cérebro maior e vivo ? Ou existe a possibilidade deísta, de o universo realmente ser desprovido de pensamento, as estrelas explodirem pela galáxia de maneira burra e não pensada, de tal forma que tudo foi programado antecipadamente com uma margem de erro para o livre arbítrio.
São muitas possibilidades, mas no fundo, vamos chegar a uma simples frase, que podemos nela crer ou descrer.
O universo é inteligente e está vendo tudo que está acontecendo e irá lhe julgar depois pelo seu comportamento enquanto vivo e escolher seu destino de pena ou recompensa em função disso.
Muitos nisso crêem, e eu acho realmente uma hipótese absurda de se crer, e não creio por antipatia, ou qualquer outro motivo, eu não creio simplesmente por sinceridade, porque seria muito fácil dizer que eu concordo com isso.
Não se trata então de maneira alguma de que eu por não crer na frase que tomo como absurda, que isso deva ser uma lei geral pra qualquer pessoa. Não acho alguém pior, ou melhor, por crer ou descrer em nada.
Agora, vamos desafiar tal raciocínio o colocando em linhas limpas.
Primeiro, o universo não tem consciência de si mesmo, porque o universo não é vivo. O universo não é vivo, porque ele não possui metabolismo. É um absurdo supor consciência ao universo, mas não há um passarinho.
Os seres vivos, sobretudo os que possuem cérebro, conseguem ter uma espécie de consciência, ainda sim muito desconhecida do ser humano. Acho que a consciência dos animais é algo que ainda merece muito estudo, e formas de comunicação objetivas entre humanos e outros seres vivos.
Assim, realmente temos a consciência, e com ela o juízo de valores, mas a origem não é por o universo ter determinado tal verdade no momento em que foi criado pela inteligência suprema que o fez. A consciência vem como necessidade de sobrevivência do ser vivo, e de permanência harmoniosa com os de sua espécie.
Os seres que possuem nível mais avançado de consciência, são seres sociais. O que nos faz termos valores éticos, não são um universo bondoso fazedor de milagres, mas sim milhares de anos de evolução sociológica, aliada as necessidades fisiológicas individuais e reprodutivas.
A ética, é meio que o lema cristão de não fazer os outros o que não gostasse que não fizessem a si. Você coça as minhas costas que eu coço as suas e você não enfia o dedo no meu rabo que eu não enfio minha mão no seu… Deve ser o código penal dos gorilas do Congo.
Pois sim, como a filosofia conseguiu se desvincular de mistérios sobrenaturais e os explicar com fatos naturais, tal como a necessidade moral que deixa de ser divina e se transforma em necessidade natural da espécie.
O amor não é divino, mas é mamífero. E Deus, pelos fósseis até então encontrados definitivamente não é mamífero. Nem material ele é, então dessa forma, não é se ele existe ou não, mas se ele faz alguma diferença ou não na realidade.
Porque mesmo ele existindo, que seja, não interferindo nos detalhes da natureza, isso é, não fazendo lá seus milagretes pelas esquinas da natureza… Vai que uma foca bondosa esteja com fome e Jesus multiplique os peixes num inverno de morte. Acho difícil tal mérito à natureza, já que eu não consigo entender o lobo com pena de um cordeiro. O máximo que pode acontecer é falta de apetite, que acontece com todos.
Quanto ao fato, que isola o discurso no cristianismo, isso é na existência de Jesus, me basta dizer que pra mim isso não passa de um mito como qualquer outro mito popular da antiguidade, que virou religião moderna. Simplesmente isso, nada ali é fato e os textos não são de quem dizem que são, é tudo uma literatura, muito bela por sinal e valiosa em seus ensinamentos, mas que não corresponde em nada com a visão que meu ceticismo traça da realidade.
Portanto a consciência não tem origem sobrenatural ou divina e sim natural. A moral e a ética igualmente são necessidades naturais e sociais. Trabalho e cultura diferenciam o ser humano em sua linguagem cognitiva.
Isso é o que acredito, basicamente. Que a consciência não procede de mágica, mas sim da natureza, tal qual viemos da reprodução sexual e não das cegonhas.
O espírito por outro lado, esse sim eu vejo como algo imortal e que fica. Como um bem imaterial pela metade, já que sua outra metade será justamente o registro do espírito em matéria. Um livro, um disco, um quadro, um retrato, uma ação, uma estátua… ali repousam os espíritos. E muitos espíritos se tornam maiores depois dos séculos de suas mortes. Se Bach tocava em poucos privilegiados lugares da Europa, hoje é vivido em todo youtube e seu espírito vaga livre pela música de todos os tempos.
O espírito desta forma, que é um resultado da ação da alma durante a vida, esse sim é eterno, imaterial pela metade, mesmo que condenado ao esquecimento.
Ninguém é obrigado ou sequer convidado a acreditar no que eu acredito. É simplesmente o que acredito, e isso não é uma ofensa a você que crê que o mundo foi criado na costa de uma tartaruga gigante.
Espírito então é algo que procede do materialismo, mas não por isso é material, mas é pela metade, já que o espírito de dom Quixote está por aqui, embora dom Quixote nunca tenha tido uma alma mortal. Uma alma literária é uma alma imortal, e se quisermos a imortalidade de nossa alma é bom que viremos um personagem que fique.
O demiurgo, então é o nada de onde viemos e para onde iremos, e ele não é inteligente, mas sim o silencio total.
O que sentíamos antes de nascer, provavelmente é o que sentiremos depois de nossa mortes. Já que não tínhamos cérebro nem corpo, nem sentidos, e assim voltaremos a não tê-los e voltaremos a não ser mais nós e sim ser o demiurgo como todos os outros.
Ah sim, ia faltar então o motivo. Mas pra que tudo isso, pra que as inteligências, as vidas, os sofrimentos, e as lembranças… oras, isso ai para que serve ?
Eu digo que se isso servisse pra alguma coisa perderia o verdadeiro sentido.
O sentido, é justamente o de termos a capacidade de procurarmos sentido as coisas. É uma necessidade nossa dar sentido a nossa vida, então não foi o universo que determinou um destino para existência de nossa alma e cumprimos nossa vida tal como uma penitencia como uma graduação para o merecimento do gozo no paraíso.
Podemos escolher o sentido de nossas vidas, planejar metas, traçar objetivos, determinar prazos. O que queremos fazer de nossas vidas? Temos a liberdade de escolher. Mesmo que eu possa escolher entregar nossas vidas a amar a um ser imaginário mais do que qualquer coisa como nosso primeiro mandamento. Sendo que falta tanto amor entre os homens.
Desta forma, admito aqui uma crença, que é basicamente na descrença que não é racional, mas imediata. Nem por isso não posso raciocinar por cima dela e da idéia geral sobre a qual ela se revolta.
Fica aqui atendido o pedido do nobre amigo Gafanhoto.

Aos crentes de A à Z

agosto 3, 2010 1 comentário

Há um longo tempo atrás, em um reino não tão distante, eu e o Rodrigo criamos um A até Z de coisas que religiosos não deveriam falar em um debate. Como isso ficou perdido em comunidades orkutisticas onde trollavamos com fervor os crentes, e hoje em dia parece que ambos não temos mais tempo nem paciência para tanto, resolvi compartilhar aqui esse apanhado tão valioso onde ficará eternamente (?) guardado.

”A- Rebaixando o conhecimento cientifico alegando que ele seja incapaz de responder algo tão simples.
B- Alegando que A ciência é falha porque ela muda suas verdades.
C- Com alguma pseudo ciência, de física quântica, de astrologia das cores, de espiritismo cientifico, essas doutrinas que fazem questão de se dizerem cientificas e vendem muito entre os trouxas do mundo.
D- Com falácias.
E- desqualificando a teoria da evolução. (sem ter provas, apenas no ”acho que” , sem ter estudado ela direito)
F- Dizendo que Einstein acreditava em Deus. Ou qualquer outro sujeito, mesmo se acreditasse ou não.
G,- Argumento Cíclico.
H- Argumento da ignorância – já que não está provado que deus não existe ele existe.
I- Inversão do ônus da prova. Como se os ateus tivessem responsabilidade de provar a negativa independente da sustentação afirmativa ser falha.
J- Dizer que nada pode ter surgido do nada.
L- Dizer que existe porque sente que existe.
M- achar alguma relação entre um ditador e a ciência pra tentar desqualificar ela (por exemplo, dizer que Hitler concordava com o evolucionismo)
N- Usar como argumento verdadeiro o que algum filosofo disse antes da ciência ser consolidada como verdadeiro (coisa do Santo Agostinho)
O – Argumentos pessoais (mais comum, sempre usam)
P- Supor que você é deus pra dizer que deus não existe.
Q- -Dizer que a bíblia é mais verdadeira que a ciência.
R – Alegar que Platão é cristão. (DG)
S – Alegar que a ciência é menos sólida que qualquer outro conhecimento pela sua idade; “a ciência está bebê”(WENDY AELSON)
T -Alegar a aposta de pascal.
U -Alegar que o pensamento cientifico tem o valor de uma opinião
V – Dizer que isso é questão de fé apenas e que não temos como chegar a uma conclusão.
X -Dizer que isso é um assunto pessoal, e não algo objetivo tratado
Z – Alegar que existe fundamento Científico pra tal crendice. ”

Eu ainda tenho que ver com o Rodrigo se rola um A até Z versão 2.0. Porque o que eu escuto por ai, da pra fazer essa lista inteira de novo. Mas pegamos os mais importantes/comuns.
Divirtam-se.

Vídeos Interessantes #1

abril 10, 2010 4 comentários

Sem muitas opções de post, mas tendo que cumprir com uma contribuição semanal, resolvi compartilhar esse vídeo que me enviaram por e-mail.

A menina do futuro Aton

Categorias:Humor Tags:, , , ,

O Brasil Banguelo.

O Povo Brasileiro é um Povo Banguelo!

Apesar das revistas especializadas em tratamentos bucal, mostrarem muitas
novidades sobre novas e “eficientes” formas de manutenção dos dentes, o que
se vê, na prática, por aí, é exatamente o contrário.

Cada tratamento, por mais simples que seja, custa uma exorbitância indecente.
E a boca do cidadão dificilmente fica do jeito que a pessoa quer.
E isso é para os que podem pagar, uma minoria.Imagina os que nem vão ao dentista,
a maioria!

O povo em geral, tem que se contentar com clínicas populares que mais parecem
aquelas antigas “oficinas” (chamadas de “Barbearia”) onde se fazia de tudo, desde
corte de cabelo até castração de cavalos.
E nem por isso são baratas! O pobre tem que ficar sem comer para poder
extrair um dente que está doendo!

A grande maioria dos dentistas se transformaram em simples “Tiradentes”, onde
a pessoa, só para se livrar da dor, prefere pagar uns R$ 50,00 para que o “Doutor”
lhe arranque o dente, já que não podem pagar R$ 5.000,00 para recuperar o dente.

Bons profissionais iriam preferir recuperar o dente a qualquer custo, mas não parece
ser o caso dos profissionais brasileiros de hoje em dia, onde, para se formar
médico ou dentista, não é preciso ter o menor dom para isso, mas sim, uma
gorda conta bancária.

É sabido, e muito incentivado pelos próprios pais, que a rapaziada dita “da Elite”,
entra nessas faculdades atrás apenas de sucesso financeiro e reconhecimento
entre os poderosos. Jamais entram nessas faculdades dispostos a melhorar o
sorriso do povo, como era de se esperar, pelo juramento que fazem à
profissão.

E com isso, o povo brasileiro vai sendo conhecido lá fora como o “povo banguelo!”

Minha questão é:
Será que os dentistas daqui não se envergonham de serem os responsáveis
por essa imagem?”

Pergunta encontrada pelo Orkut…. E gentilmente respondida;

—————————

Nunca conheci um dentista envergonhado.

Agora, o dentista não tem culpa se o estado não consegue distribuir a renda. O preço é alto porque o custo é alto, não poderia o dentista no caso ter prejuízo pra cuidar da arcada dentária popular.

O sistema de saúde público que deveria ser melhorado para dar infra-estrutura aos médicos, dentistas e banguelinhas.

Afinal, dentista tem família e tem de pagar caras contas, e sobre o talento dos que cursam fica evidente que não é só ter dinheiro,já que o vestibular de odontologia é concorrido e passam anos tendo provas para testar o nível técnico do profissional.


Muito engraçado o texto, parabéns.

Do Saráu ao Drama.

Bem, achei muito legal o que esse pessoal andou fazendo. Resolvi postar e compartilhar com os amigos.

Agradecimentos ao Leone que me indicou isso. O que é bom tem de ser divulgado.

De porcaria nosso mundo já está cheio. Detalhe, aposto que são todos comunistas, mas devem adorar um bom cachê, contratem-os para suas festinhas particulares, casamentos, orgias, e primeira comunhão.

Saudações benhumoradas dessa vez.

Ps; Homenagem ao Nuno Rosa que gosta muito de arte.