Início > JIHAD > Ode aos Fakes.

Ode aos Fakes.

Meus caros, muitos devem ter notado como sou efusivo neste blog em debater, e sobretudo agredir aos FAKES que nos comentam. Ao certo, eh muito comum eu deixá-los com bastante ira, e ateh mesmo os deixando ser nossos maiores seguidores.

Afinal o blog eh muito mais visitado por perseguidores do que por seguidores, e nosso claro objetivo eh simplemente insultá-los, gratuitamente, na finalidade de gerar arte, humor e entretenimento.

Esse texto em si eh um convite pra algum fake estupido vir apanhar nos comentarios, naturalmente.

Mas logico, vou deixar isso muito claro, nao se trata do nosso especial leitor(a) Jonnhy, unico FAKE respeitavel por sua historia aqui nesse blog, o resto eh resto.

Esses ae fans de Michael Jackson, Os que comentam nos topicos eu odeio viado, como o caso de um babaca chamado eh nois na fita que apareceu recentemente e eh ele mesmo que quero provocar e agredir.

Mas ele nao eh o ultimo nem o primeiro. E que meu cumpadi Gafanhoto das candongas, que deus o tenha, que nao pense que eh com ele, que essa peleja aqui eh com a imbecilidade que reina na internet.

Vamos ao motivo do quixotesco comportamento que proponho; Em primeira mão, esses trolls, como popularmente ficaram conhecidos ao redor do mundo internáutico são uns merdas desocupados com sérios problemas psicológicos, e de autoestima… Eu ateh entendo, como o cara vai ter auto-estima se ele eh um merda ?

Bem, faço isso apenas com a finalidade de gerar a catarse, e o tumulto, e que venha a verborréia.

Anúncios
  1. Jonny
    outubro 8, 2011 às 12:14

    “… A vida sem um fake fica meio estranha. Afinal, um fake é uma demonstração de carinho. Meu fake dedicava parte do seu tempo a mim… Ter um fake é uma questão de distinção. Muita gente sonha em ter um fake…”

    Nós nos relacionamos com as outras pessoas de forma íntima, distante e formal. Existem vários tipos de relacionamentos: o familiar, o profissional, o comercial o amoroso, o sexual, o fraternal, etc. que podem ser simples e complexos ao mesmo tempo, e é nessa complicada dinâmica energética é que estão os maiores tesouros que podemos conquistar.

    “A mente deseja a separação; o Amor deseja a unicidade.”

    Quanto às pessoas que não sabem ser humildes, no íntimo elas sentem que ser humilde é o mesmo que não ter dignidade, mas o que elas não sabem é que é a falta de humildade é que faz as pessoas perderem a dignidade.

    Dentro de nós habitam o bem e o mal, a sombra e a luz, e a “loucura” que é o estado natural do ser humano, e está em toda a parte.

    “(…) O louco muda como a lua e o sábio é estável como o sol”.

  2. raphaelzaratustro
    outubro 24, 2011 às 22:29

    Abalizando item a item, eu sou mais o Tunisio Gomes. Mas umas infinitas vezes mais.

    Porque O Tunisio Gomes só apresentou coisa própria.

    Desmantelando toda essa farsa de cópias e colas do fake jonny.

    O jonny é um fake mimético, enquanto Tunisio gomes, um ser gênico.

    Tunisio deu um show de Poesia Romana, traduzindo peças inteiras de Horácio do latim ao português.

    Tunisio discorreu sobre Públio Papínio Estácio e sua Enêida, mostrando as relações entre personagens, seus discursos e os contextos nos quais os proferiram, destroçando os equívocos, digamos, xaropes, sugerídos pela ignorância azeda de jonny.

    Jonny escorregou feio no ralo… sem saber, foi apelar para colar a página da wikipedia inteira, e dizia na cara de pau que era professor de Filosofia, Sociologia e Antropologia.

    Tunisio se levantou só pra mostrar onde e como a própria wikipedia usada estava completamente errada. Corrigiu a bobagem do jonny e deu um banho de conhecimento filosófico, literário e histórico, mostrando simplesmente a prova da wikipedia estar errada.

    O jonny teimou no besteirol depois ficou quieto, como um bocó.

    Nunca, nunca Descartes escreveu “Eu duvido, logo penso, logo existo”…

    Além do mais, só o Tunisio Gomes recebeu mediunicamente o René Descartes em pessoa, em sua sala, vindo do purgatório trazendo a mensagem: “Le doute est une démangeaison de la raison.”

    Tunisio passeou pela Divina Comédia de Dante ligando os personagens com os autores antigos por generosa ilustração.

    Tunisio deu lição de humildade em sua exclusiva tradução, na íntegra, da Poesia V do livro III de Odes de Horácio, fazendo aquela homenagem genuína, honesta e sincera.

    Tunisio traduziu, dando aula de latim, fazendo análise sintática. de brinde.

    e mais um monte de coisa culta que eu não teria palabras para respaldar. como o nome já é muito mais manero e coisa e tal.

    Eu não desmereço a função de nenhuma dessas criaturas naturais. Mas o Tunisio é um literato completo. Ele uma vez me teclou que não tem conhecimento grande sobre essas três referidas matérias acima, mas admira quem tem. Que que é isso, como que não tem, Tunisio? Nenhuma das suas frases são encontráveis buscando no google! Quem não tem conhecimento nenhum é esse jonny aí, tudo que ele escreve é clonado, rsrsrs.

    https://defeitocolateral.wordpress.com/2011/08/06/existe-deus/

  3. Jonny
    outubro 25, 2011 às 22:27

    Senhor Raphaelzaratustro,

    Antes calar que com doidos altercar. — Dementis convitia nihil facias.

    Eu não “fiquei quieta como uma bocó” como você mencionou, eu fiquei com pena do Tunisio Gomes. Eu respeito a ignorância alheia da mesma forma que respeito a sua.

    Eu simplesmente poderia ignorar este comentário vindo de você, mas vou escrever/copiar/colar mais uma vez no blog para dizer que estou muitíssimo decepcionada com a sua falta de conhecimento.

    Os que têm acompanhado o que tenho escrito/copiado/colado sabem que o meu prazer e a minha verdadeira finalidade por todo tempo em que estive por aqui foi ampliar todas estas reflexões utilizando s-o-m-e-n-t-e citações de pensadores consagrados.

    Senhor Raphaelzaratustro,

    Naquele momento como agora eu poderia mostrar de onde vieram as minhas sustentações, mas ainda sinto que não vale a pena.

    Por esse motivo eu utilizei a famigerada Wikipédia colada na íntegra, pois foi o recurso mais simples que encontrei na tentativa de chamar a atenção de Tunisio Gomes para ler e parar de escrever o que não deve.

    A Wikipédia tem um layout próprio, basta olhar o texto para saber que ele está colado na íntegra.

    Onde está a inteligência de Tunisio Gomes e a sua nesta observação em relação a isso?

    O meu sobrinho de 10 (dez) anos de idade sabe disso…

    Se você Raphaelzaratustro menciona que:

    -“Nunca, nunca Descartes escreveu “Eu duvido, logo penso, logo existo”…”

    “… Tunisio se levantou só pra mostrar onde e como a própria wikipedia usada estava completamente errada. Corrigiu a bobagem do jonny e deu um banho de conhecimento filosófico, literário e histórico, mostrando simplesmente a prova da wikipedia estar errada….”

    Se Tunisio Gomes afirma que:

    _ “A frase Dubito, ergo cogito, ergo sum, não é de Descartes, mas sim de um anônimo que escreveu uma larguíssima introdução ao Discurso do Método do filósofo, quase do tamanho do próprio livro, e assinou simplesmente como Thomas homenageando seguramente o nome do apóstolo cético de Jesus, em português Tomé, o inteligente São Tomé que teve que ver e tocar para crer. ”

    Se os senhores dominam este assunto, sugiro que os senhores editem na Wikipédia. Todos podem editar e eu encorajo vocês a serem audazes!
    Se vocês já têm experiência em utilizar uma Wikipédia, então devem fazer uma boa ideia do que são alterações aceitáveis e quais devem ser discutidas primeiro.

    Se vocês afirmam que já encontraram algo para editar para que possa ser corrigido, aperfeiçoado e melhorado seja em conteúdo, gramática ou formatação na Wikipédia, façam-no!

    Por que já não o fizeram?

    Vocês não correm o risco de estragar a Wikipédia. Tudo o que os senhores fizerem poderá ser depois revertido e corrigido. A comunidade da Wikipédia aconselha os seus utilizadores a serem inovadores e arrojados ao atualizarem e melhorarem os artigos.

    Sintam-se à vontade para explorar suas possibilidades, mas, antes de tudo, sejam responsáveis. Caprichem, mostrem o melhor de vocês.

    Os editores anteriores terão assim seu texto modificado. Não tenham remorsos, pois todos ganharão com a alteração concisa de vocês. Considere que outros virão editar seu texto também, posteriormente.

    Não confundam audácia com irresponsabilidade.

    Por isso, Raphaelzaratustro e Tunisio Gomes sigam em frente, editem seus artigos e ajudem a fazer da Wikipédia em língua portuguesa a melhor fonte de informações da Internet!

    Senhor Raphaelzaratustro,

    Quando você também mencionou:

    “Abalizando item a item, eu sou mais o Tunisio Gomes. Mas umas infinitas vezes mais.

    Porque O Tunisio Gomes só apresentou coisa própria.”

    “… Tunisio gomes, um ser gênico.”

    “Tunisio deu um show de Poesia Romana, traduzindo peças inteiras de Horácio do latim ao português.

    Tunisio deu lição de humildade em sua exclusiva tradução, na íntegra, da Poesia V do livro III de Odes de Horácio, fazendo aquela homenagem genuína, honesta e sincera.

    Tunisio traduziu, dando aula de latim, fazendo análise sintática. de brinde.e mais um monte de coisa culta que eu não teria palabras para respaldar. como o nome já é muito mais manero e coisa e tal.

    Eu não desmereço a função de nenhuma dessas criaturas naturais. Mas o Tunisio é um literato completo. Ele uma vez me teclou que não tem conhecimento grande sobre essas três referidas matérias acima, mas admira quem tem. Que que é isso, como que não tem, Tunisio? Nenhuma das suas frases são encontráveis buscando no google! Quem não tem conhecimento nenhum é esse jonny aí, tudo que ele escreve é clonado, rsrsrs.”

    Senhor Raphaelzaratustro,

    Eu esperei que alguém comentasse algo inteligente e que acrescentasse algo de positivo principlamente sobre a trágica tradução de Tunisio Gomes.

    Eu sinceramente acreditei que um dia alguém se manifestasse nesse espaço para mostrar o quanto Tunisio Gomes foi totalmente infeliz, mas a minha verdadeira tristeza foi encontrar justamente você Raphaelzaratustro,
    tecendo este comentário lastimável.

    Uma vez que você tocou no assunto com tamanho entusiasmo quanto a “inteligência” de Tunisio Gomes, peço a gentileza de que você realmente leia e observe atentamente a “tradução pessoal” de Tunisio Gomes , e veja o quanto a comunicação de vocês é vazia e sem base.

    Senhor Raphaelzaratustro,

    Você está precisando de alguns, ou muitos, minutos de reflexão.

    A tradução da Poesia V do livro III de Odes de Horácio, na íntegra feita por Tunisio Gomes é hilária!

    Quando eu comecei a ler a “tradução pessoal” de Tunisio Gomes eu comecei a me divertir. Eu ri de chorar. Eu li a “tradução pessoal” pensando que ele estivesse brincando, mas constatei para meu desgosto que ele não estava…

    Tunisio Gomes sabe que ninguém nesse país vai prestar atenção em latim e muito menos em “TRADUÇÃO PESSOAL”… ELE certamente se divertiu ao escrever a “Tradução pessoal” que todos nós sabemos que é tão pessoal quanto intransferível… Ninguém encontrará algo tão hilário em lugar algum no Google e em lugar algum neste planeta… Tunisio Gomes certamente continua rindo… Só que agora ele está rindo é de você!

    A “tradução pessoal” de Tunisio Gomes é hilária do início ao fim. A frase traduzida por ele que facilmente nos faz chorar de tanto dar risada é quando ele escreveu: “… Seu rei, em verdade, um Medo, seu pai Um Marciano?…”

    “… sub rege Medo Marsus et Apulus,
    anciliorum et nominis et togae
    oblitus aeternaeque Vestae,
    incolumi Iove et urbe Roma?…”

    Tradução pessoal de Tunisio Gomes:

    “… Seu rei, em verdade, um Medo, seu pai
    Um Marciano? Pode ele nome esquecer,
    Toga, escudo sagrado, fogo imortal,
    E estão Júpiter e Roma ainda de pé?…”

    PARA RIR MUITO SEGUE ABAIXO, PARA QUEM AINDA NÃO TEVE A OPORTUNIDADE DE LER, O TEXTO COMPLETO COM A “TRADUÇÃO PESSOAL” DE TUNISIO GOMES, “UM MARCIANO?”:

    1. Deixo aqui a Poesia V do livro III de Odes de Horácio, na íntegra, em homenagem ao comentarista, Jonny (Bárbara, o “muleque” retardado).

    Caelo tonantem credidimus Iovem
    regnare; praesens divus habebitur
    Augustus adiectis Britannis
    imperio gravibusque Persis.

    milesne Crassi coniuge barbara
    turpis maritus vixit et hostium,
    pro curia inversique mores!
    consenuit socerorum in armis

    sub rege Medo Marsus et Apulus,
    anciliorum et nominis et togae
    oblitus aeternaeque Vestae,
    incolumi Iove et urbe Roma?

    hoc caverat mens provida Reguli
    dissentientis condicionibus
    foedis et exemplo trahentis
    perniciem veniens in aevum,

    si non periret inmiserabilis
    captiva pubes. “signa ego Punicis
    adfixa delubris et arma
    militibus sine caede” dixit

    “derepta vidi, vidi ego civium
    retorta tergo bracchia libero
    portasque non clausas et arva
    Marte coli populata nostro.

    auro repensus scilicet acrior
    miles redibit: flagitio additis
    damnum; neque amissos colores
    lana refert medicata fuço

    nec vera virtus, cum semel excidit,
    curat reponi deterioribus.
    si pugnat extricata densis
    cerva plagis, erit ille fortis

    qui perfidis se credidit hostibus
    et Marte Poenos proteret altero;
    qui lora restrictis lacertis
    sensit iners timuitque mortem,

    hic, unde vitam sumeret inscius,
    pacem duello miscuit. o pudor!
    o magna Carthago, probrosis
    altior Italiae ruinis!”

    fertur pudicae coniugis osculum
    parvosque natos ut capitis minor
    ab se removisse et virilem
    torvus humi posuisse voltum,

    donec labantis consilio patres
    firmaret auctor numquam alias dato
    interque maerentis amicos
    egregius properaret exul.

    atqui sciebat, quae sibi barbarus
    tortor pararet: non aliter tamen
    dimovit obstantis propinquos
    et populum reditus morantem

    quam si clientum longa negotia
    diiudicata lite relinqueret
    tendens Venafranos in agros
    aut Lacedaemonium Tarentum. (Horatius)

    A TRADUÇÃO PESSOAL DE TUNISIO GOMES.

    Acreditamos em Júpiter, pelo trovão do céu
    Reina; Assim como ganha Augustus a Terra
    O presente deus dela inimiza a’ora os Bretões
    E Persas se curvam diante de Seu trono.

    Tem os soldados de Crasso tomado por esposa
    Uma base bárbara, e aí cresceram cinzas
    (Ai, pela podre vida de uma nação!)
    Ganhando o pago de seus inimigos-parentes,

    Seu rei, em verdade, um Medo, seu pai
    Um Marciano? Pode ele nome esquecer,
    Toga, escudo sagrado, fogo imortal,
    E estão Júpiter e Roma ainda de pé?

    Foi isto que Régulo previu,
    Que o tempo ele desdenhou a desgraça idiota
    Da Paz, da qual o precedente desenharia
    Destruição em uma raça não nascida.

    Deveria tudo menos matar a corrente do prisioneiro
    Des-rebitada. “Eu tenho visto”, disse ele,
    “A águia de Roma em um santuário Cartaginês,
    E armadura, nunca num alpendre de derramar sangue,

    Despojado do soldado; Eu tenho visto.
    Livres filhos de Roma com braços rápidos atados;
    Os campos que estragamos com milho são verdes,
    E Cártago abre seus largos portais.

    O guerreiro, com certeza, redimido pelo ouro,
    Lutará contra os mais ousados! Sim, você pilha
    Sobre a perda de baixeza. Os tons da idade
    Revisita não a lã que embebemos;

    E valor genuíno, expelimos por temor,
    Não retorna ao escravo sem valor.
    Quebrar senão as malhas dela, vai o veado
    Assaltar você? então vai ele ser valente

    Que uma vez para inimigos sem fé ajoelhou-se;
    Sim, Cártago ainda vai sua lança voar,
    Quem com os braços atou o cordão sentiu,
    O covarde, e tem temido morrer.

    Ele não sabe, ele, como a vida é ganha;
    Acha que a guerra, como a paz, é uma coisa de comércio!
    Grandiosa tua arte, oh Cártago! companheira do sol,
    Enquanto Itália no pó é deitada! ”

    O Puro beijo de sua esposa, ele acenou de lado,
    E os meninos tagarelas, como alguém desgraçado,
    Eles dizem a nós, e com bastante orgulho
    Traseiro no chão sua fisionomia é colocada.

    Com o conselheiro assim nunca mais consulta
    Ele nervoso fica com a fraca intenção dos pais,
    E, cingida por amigos que enlutaram a ele, correu
    Em banimento ilustre.

    Bem notando que a arte do torturador
    Desenhou ele, com gostosa indiferença,
    A prensa dos parentes que ele empurrou além
    E as multidões a onerar seu retorno,

    Como se, alguns tediosos negócios acabados
    De clientes do tribunal, a sua jornada deita
    Para piso gramado de Venafro,
    Ou como Esparta construída da baía de Tarento. (Horácio, traduzido por Tunisio Gomes)

    Senhor Raphaelzaratustro,

    Onde está o quociente de inteligência de Tunisio Gomes?

  4. Jonny
    outubro 25, 2011 às 22:36

    Senhor Tunisio Gomes
    Senhor Raphaelzaratustro,

    Rara avis in terris… Nemo dat quod no habet… Quid pro quo!
    Ne Aesopum quidem trivisti.

    Senhor Tunisio Gomes,
    Senhor Raphaelzaratustro,

    Língua frenare plus est est quuam castra domare!
    Navita de ventis, de tauris narrat arator; enumerat miles,vulnera pastor oves!

    Nescit vox missa reverti…Nihil est in intelecto quod non prius fuerit insensus.
    Três sunt infelices in lege; quis cit et non docet; qui docet et non facit et non ignorat.

    Senhor Tunisio Gomes,
    Senhor Raphaelzaratustro,

    Non pudet quae nesciere te volle doceri.Scire aliquid laus est pudor est nihil discere velle.

    Nullum consillium est quod mutare non potest… Nosce te ipsum.

    Senhor Tunisio Gomes,
    Senhor Raphaelzaratustro,

    Tali dicentur tibi,quali dixeris ipse.

    Senhor Tunisio Gomes,
    Senhor Raphaelzaratustro,

    Qui quae vult, dicit quae non vult audit.

    Tradutore traitore! Tradutore traitore!
    Oleum Perdidisti.
    Tout qu´on de trope est fade et rebutant.

    Vanitas vanitatis et omnia vanitas…
    Oh! Sancta simplicitas!
    Stultorum numerum infinitus.

    Parva eloquentiae, sapientiae nihil
    Parva aliorum vitia ridetis, sed majora quae vos ipsos dedecorant non videtis…
    Parva volucrisnon ova magna parit.

    Omne supervacuum pleno de pectore Manet.
    Inter utrumque tene médio tutissimus íbis.

    On ne donne rien si liberalement que ses conseils…
    Odiosa restringida, favorabilia amplianda…

    Vita nostra brevis est,brevi finiester,venir mors velociter rapit nos ferociter nemini parcertur.

    Mors omnia solvit .Qalis artifex pereo…

    Senhor Tunisio Gomes,
    Senhor Raphaelzaratustro,

    Levis sit sibis terra, requiescat in pace!
    Nam sine doctrina vita est quasi mortis imago!

    “Ao certo Bárbara, Jonnhy, MUleque Retardado, seja como for…”
    La Donna é Mobile /Qual piuma ao vento /Muta d’accento e de pensero…

    TRADUÇÃO DA CARTA ACIMA: Verbum ad verbum (Latim) = Palavra por palavra:

    Rara avis in terris (Latim) = Ave rara na Terra. Usa-se esta expressão para indicar tudo aquilo que é estranho, novo ou diferente. Na maioria dos casos, aparece reduzido a apenas duas palavras Avis Rara. A expressão é de Juvenal (Sátira VII. 163).

    Nemo dat quod no habet (Latim) = Ninguém pode dar o que não tem. Esta frase é equivalente à nossa: Cada um dá o que tem.

    Quid pro quo (Latim) = Confusão… Tem origem medieval, tendo sido usada, na sua origem, para referir um engano no uso de expressões e termos latinos num texto: “isto por aquilo”, “uma coisa por outra” causando uma confusão gramatical.

    Ne Aesopum quidem trivisti. [Erasmo, Adagia 2.6.27] Não digeriste nem o teu Esopo. (=Diz-se de quem fala do que não entende). Não sabes nem o sinal da cruz. Estás mais por fora que mão de afogado. Não sabes da missa a metade.

    Língua frenare plus est est quuam castra domare (Latim) = Dominar a língua é mais importante do que conquistar castelos. Este pensamento diz respeito ao autodomínio com respeito ao uso das palavras. São frases semelhantes a essa: Em boca fechada não entra mosca; a palavra é de prata, mas o silêncio é de ouro; quem conversa muito dá bom dia a cavalo; passarinho que muito canta caga no ninho.

    Navita de ventis, de tauris narrat arator; enumerat miles,vulnera pastor oves (Latim) = O marinheiro deve falar dos ventos; o lavrador, dos bois, o soldado,das cicatrizes e o pastor, das ovelhas. Em resumo: cada um deve falar apenas daquilo que entende.

    Nescit vox missa reverti ( Latim) = A palavra, depois de dita, não volta mais. Este juízo se encontra em Horácio (Arte Poética. V.390). O poeta aconselha o seu amigo Pisão a guardar a sua obra, porque, nesse espaço de tempo, pode-se corrigi-la com tranquilidade, analisar o que foi dito e verificar se estamos sendo ou não justos com as coisas que afirmamos.

    Nihil est in intelecto quod non prius fuerit insensus (Latim) = Nada há no intelecto que não tenha passado pelos sentidos. Esta frase tem a sua origem na Escolática medieval e tornou-se uma espécie de lema dos empiristas, uma vez que ela afirma que todo o nosso conhecimento nos chega por meio da nossa experiência sensorial, opondo-se, assim, radicalmente, ao idealismo inatista de Platão. Ao nascer, conforme os empiristas, o homem é uma tabula rasa in quoi nihil este scripitum, ou seja, uma tábua vazia na qual nada se encontra escrito e, à medida que vai vivendo, a experiência vai escrevendo nesta lousa o seu texto.

    Três sunt infelices in lege; quis cit et non docet; qui docet et non facit et non ignorat (Latim) = Três coisas forma a infelicidade que destrói a lei divina : saber e não ensinar; ensinar e não saber e ignorar e não perguntar.

    Non pudet quae nesciere te volle doceri.Scire aliquid laus est pudor est nihil discere velle (Latim)= Não te envergonhes por querer aprender o que ignoras; saber é louvável. O vergonhoso é nada saber.

    Nullum consillium est quod mutare non potest (Latim)= Não há opinião que não se possa mudar. Ao contrário do que se pensa, mudar de opinião não significa fragilidade de caráter, muito pelo contrário, é preciso ser muito forte para se mudar de posição quando a posição antiga não nos satisfaz.

    Nosce te ipsum (Latim) = Conhece-te a ti mesmo. Esta frase equivale ao grego gnosty seauton e estava escrita no frontispício do Templo de Apolo em Delfos. Sócrates a tomou por divisa, Normalmente se toma esta frase como uma proposta de autoconhecimento. Isto é verdade apenas de certo modo, uma vez que conhecer-se a si mesmo significa conhecer o seu lugar no mundo, respeitar o seu métrion (medida), não desejar a ultrapassagem nem ser como os deuses; e não possui relação direta com um tipo de psicologia introspectiva como normalmente se imagina.

    Tali dicentur tibi,quali dixeris ipse ( Latim) = Como falardes, assim ouvireis. Esta é uma forma de se dizer o nosso conhecido dito: Quem diz o que quer, ouve o que não quer.

    Qui quae vult, dicit quae non vult audit ( Latim) = Quem diz o que quer, ouve o que não quer.

    Tradutore traitore (Italiano) = Tradutor, traidor. Esta frase que se tornou uma espécie de dito popular acusa os tradutores de jamais manterem fiéis ao texto que traduzem.

    Oleum Perdidisti (Latim) = Perdeste o teu azeite. Os antigos falavam de uma obra que lhes parecia demasiadamente trabalhada que cheirava a azeite e, se era medíocre, dizia-se que se havia perdido azeite. Talvez isso se deva ao fato de os escritores utilizarem a noite para trabalhar sob a luz de lâmpadas, cujo combustível era o azeite.

    Tout qu´on de trope est fade et rebutant (Francês) = Tudo o que se diz demais é insípido e dispensável. Frase de Boileau em sua Arte Poética.

    Vanitas vanitatis et omnia vanitas (Latim)= Vaidade das vaidades tudo é vaidade. Esta frase se encontra no Eclesiastes.

    Oh! Sancta simplicitas! (Latim) = Oh, Santa simplicidade. Conta-se que o reformador religioso, João de Hus, condenado à morte na fogueira, viu se aproximar uma velhinha que trazia em sua mão um graveto que ela atirou ao fogo com intuito de atiçar-lhe chamas. Vendo isso, ele disse: Santa Simplicidade! Esta frase é designada para usar certas atitudes que revelam grande ignorância ou ingenuidade, como a da mulher que acreditava estar prestando um grande serviço a Deus, ajudando a queimar um herege.

    Stultorum numerum infinitus (Latim) = O número dos tolos é infinito.

    Parva eloquentiae, sapientiae nihil (Latim) = Um pouco de eloquência e nada de sabedoria. Esta frase se aplica a oradores que falam muito e nada dizem.

    Parva aliorum vitia ridetis, sed majora quae vos ipsos dedecorant non videtis (Latim) = Tu te ris dos defeitos alheios e não notas os próprios. Corresponde à famosa frase do Evangelho sobre a trave e o argueiro.

    Parva volucrisnon ova magna parit (Latim) = Pequena ave não põe ovo grande. Trata-se de uma advertência às pessoas pouco experientes que ousam fazer grandes coisas sem estarem preparadas. A forma moderna deste ditado é: pato novo não mergulha fundo.

    Omne supervacuum pleno de pectore Manet (Latim) = Tudo o que é supérfluo é rejeitado pelo estômago. Esta frase está na arte poética de HORÁCIO e diz respeito ao mau hábito dos escritores e oradores de encherem os seus textos de inutilidades que, muitas vezes, tomam por adorno.

    Inter utrumque tene médio tutissimus íbis (Latim) = Conserva-te entre os dois, no meio andarás seguro.
    Nas Metamorfoses de Ovídio, encontra-se o mito de Phaetonte, filho de Apolo que, a custo de muito pedir, conseguiu que seu pai lhe emprestasse o carro da luz para que ele desse uma volta pelo céu. Antes de iniciar a sua trágica aventura, Phaetonte ouviu de seu pai o seguinte conselho: não subas muito alto para não queimares o céu nem desça muito baixo para não incendiar a terra. Ficas entre os dois e viajarás com segurança; como se pode ver com facilidade trata-se de uma versão da frase já vista por nós: a virtude está no meio.

    On ne donne rien si liberalement que ses conseils (Francês) = Nada se dá com maior liberalidade do que conselhos. Por este motivo, o povo costuma dizer: Se conselho fosse bom, não se dava, se vendia.

    Odiosa restringida, favorabilia amplianda (Latim) = As coisas odiosas devem ser restringidas e as boas divulgadas. Este velho conselho é dos mais interessantes e se resume a frase seguinte: o mal não merece comentários. É pena que a moderna tendência da mídia tenha sido em sentido oposto.

    Vita nostra brevis est,brevi finiester,venir mors velociter rapit nos ferociter nemini parcertur ( Latim) = A nossa vida é breve, em breve se acaba, a morte vem velozmente e a ninguém poupa.Estas palavras são de Sêneca,procurando lembrar ao leitor a brevidade da vida e a inevitabilidade da morte.

    Mors omnia solvit (Latim) = A morte resolve todas as coisas. Palavras pessimistas as quais, com a morte, todas as coisas cessam porque o mergulha no nada isenta ao ser de qualquer forma de castigo ou prêmio.

    Qalis artifex pereo (Latim) = Que grande artista vai morrer. Esta frase atribuída a Nero, Imperador romano, costuma ser traduzida como: Que grande artista o mundo vai perder.

    Levis sit sibis terra ( Latim) = Que a terra lhe seja leve. Esta frase se encontra em muitos cemitérios romanos antigos e parece conotar a idéia da imortalidade do espírito que passa a viver sob a terra e se deseja a lê que a outra vida seja amena. Em nossos dias, é usada quase que pejorativamente para indicar que o morto não deixa saudades.

    Requiescat in pace ( Latim) = Descansa em paz. Expressão que se coloca nas lápides dos cemitérios.

    Nam sine doctrina vita est quasi mortis imago ( Latim) = “Pois sem instrução a vida é como a imagem da morte” – Verso citado por Molière em O Burguês Gentil-homem.

    “Ao certo Bárbara, Jonnhy, MUleque Retardado, seja como for…”
    La Donna é Mobile /Qual piuma ao vento /Muta d’accento e de pensero…

  5. Jonny
    outubro 25, 2011 às 22:41

    1. agosto 11, 2011 às 17:50 | #14
    Citação
    “Le doute est une démangeaison de la raison.”
    René Descartes, filósofo racionalista francês, em 11 de Agosto de 2011.
    O René Descartes em espírito está materializado aqui na minha sala. Transbordante de um ótimo humor, me cumprimentou com aperto de mão, tomou assento, mas recusou o suco de amora que ofereci cordialmente.

    Aqui está pedindo a mim, Tunisio Gomes, que redate estas palavras e o favor de postar o pensamento mais novo dele, que lhe ocorreu enquanto lia este blog conectado desde o Purgatório e me observava. Frase que ele me repete rindo uma melodia e que lhes comunico agora.
    Calma René já vou postar!

    ——————————————————————————————————————-

    Suco de amora ou chá de cogumelo?

    Cogumelo Atômico
    Composição: Moacir Brasão

    Menina dos cabelos embaraçados olhe quem vem lá!
    Tá maluco adoidado viajando
    Tá sonhando acordado delirando…

    Você vive sempre energizado (o que ce ando tomando?)
    Você anda muito animado (o que ce ando tomando?)
    Tá maneiro não ta alienado (o que ce ando tomando?)
    Já não tá mais amarelo (o que ce ando tomando?)…

    Refrão:
    Chá de cogumelo, chá de cogumelo… Atômico! Fiquei doidão!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: