Início > Defeito Colateral, Velho Resmungão > A sociedade dos ícones e das injustiças

A sociedade dos ícones e das injustiças

Ícone é uma palavra que vem do grego “eikon” e significa imagem (foi o Wikipédia que disse aheoaheu). Imagem é uma informação visual captada e interpretada pelo cérebro. Desde 40.000 a.C., no período histórico denominado Paleolítico Superior, o homem retrata ícones. Imagens que tinham por objetivo representar deuses e divindades a quem eles deviam respeito e a quem posteriormente faziam oferendas. Passado tanto tempo, criamos a ilusão civilizatória do fim dos ícones e dos exemplos. Criamos e difundimos a idéia de liberdade acima de todos os valores, quando no fim continuamos cultuando, reproduzindo, comprando e criando ícones.

A existência dos ícones, imagens a quem se deve admiração e respeito, não é algo involuntário ou repentino. Os homens levaram séculos até criar a imagem de seus deuses e viam na sua conquista maiores chances de “entender” o que estava acima deles. Um ícone tem uma história, qualquer um deles. As celebridades da televisão, os ícones da cultura em massa, por exemplo, são muitas vezes julgados levianamente, uma vez que ninguém pensa pelo o que essa pessoa já passou para chegar onde está agora, como ela batalhou para chegar até lá. Os ícones são, então, em uma regra geral, imagens formuladas por uma maioria baseados em informações externas e experiências pessoais.

As pessoas buscam ícones para traçar objetivos, os ícones às vezes servem como espelho e incentivo. Se os ícones nos cercam, estão intimamente ligados à construção de um indivíduo já que todo meio nos influencia diretamente. Uma pessoa que acreditar que se constrói sem influências, sem ícones, nada mais esta fazendo do que mentir para si mesma.

Se ícones são construídos e mantidos por uma maioria, acredito que podemos chegar à conclusão de que a opinião que prevalece sempre será a da maioria. Não podemos simplesmente ignorar a opinião da maioria, restando duas alternativas aos que não concordam com ela: estudar e entender seus motivos para discussões mais construtivas, ou fechar-se em seu mundo e só usar a opinião da maioria quando lhe convém. Independente da escolhe, a opinião da maioria sempre prevalecerá, e, se você for esperto, vai saber usá-la a seu favor, por mais ilegítima que ela se mostre à minoria que você bate continência.

O status que um ícone carrega funciona organicamente, pois não vêm dele e é inerente à sua vontade. A distinção entre melhor e pior sempre existiu, existe e sempre vai existir independente de como os melhores e piores sejam escolhidos (hoje em dia infelizmente muitas pessoas baseiam suas opiniões de qualidade baseadas no preço). Mas baseado em que um ícone ganha status? É algo que simplesmente brota na cabeça da maioria? Na verdade não. O status é adquirido através de provações, de exemplos vistos pela maioria, que então dá ao provado o status como reconhecimento de seu esforço. Stephen Hawking não ganhou status por falar através de uma cadeira de rodas, e sim pela sua contribuição ao mundo da física teórica. Porém não é só esse círculo que o reconhece como ícone, qualquer pessoa que conheça sua reputação, legitimada por pessoas capazes de julgá-lo, passa a respeitá-lo como ícone no mundo da física. Em uma regra geral, podemos assemelhar status à recompensa. Uma recompensa dada por outros ícones e apoiada pela maioria. A questão do status é muito simples: têm status quem prova ser melhor, independente se pode haver ou não alguém melhor.

O melhor e o pior sempre vão existir, é uma classificação natural que acontece com todas as coisas, de papéis higiênicos a plutônio. Fugir disso ou negar isso é teimosia, burrice. A única diferença se torna a escolha do lado que se pretende ficar: se esforçar para ficar entre os melhores, ou renegar o esforço para anarquizar a conquista alheia.

A conquista e o status, porém, não anulam a qualidade das pessoas que não são reconhecidas como ícones, elas continuam sendo boas para um círculo menor. Existem então dois tipos de pessoas que são boas no que fazem: aquela que é reconhecida como tal, e por ser legitimada pela maioria é considerada a melhor, e aquela que se acha boa por excelência própria, sem se importar com a opinião da maioria, a quem julga idiota e incapaz. Mais uma vez é uma decisão de escolha, entre ficar os que, por serem legitimados tem melhores oportunidades, ou ficar entre os auto-suficientes que pretendem passar o resto da vida recebendo mesada.

Qual o problema em buscar a glória? Qual o problema em buscar a legitimação do esforço? Não posso escolher ser bom e ser reconhecido simplesmente por que pode haver alguém melhor do que eu? O que tem de tão babaca buscar um prazer pessoal? Mais uma vez decisão de escolha. Escolher entre uma meta traçada para colher frutos no futuro, ou passar o resto da vida fumando e bebendo aos fins de semana com o dinheiro do meu pai.

Essa história de que sempre poderá existir alguém melhor do que o ícone é uma questão utópica, por que se pede que o mundo seja justo, QUANDO ELE NÃO É. A vida não é justa, a sociedade não é justa, alguém ainda acha o contrário? Achar que uma pessoa não merece seus títulos simplesmente por que não se sabe se um dia vai existir alguém melhor ou dizer que essa pessoa é idiota por que se esforçou para chegar até lá é uma opinião naufragada, pois desclassifica todo o esforço, não o reconhece, buscando apenas os atributos negativos. Mas, se por um lado a sociedade é injusta, por outro ela paga as contas, e criticá-la enquanto se depende dela pode ou não ser um ato hipócrita, a verdade é que todos temos o direito de depender de algo enquanto não gostamos dele. Não sou obrigado a gostar de uma obra de arte por que ela está em um museu, porém não posso negar seu estatuto como arte já que foi legitimado e está em um museu. O museu legitima a obra, a valida como arte, enquanto a opinião da maioria valida, separa e classifica os melhores dos piores.

Analisando o exemplo do NM no seu texto “é tudo sobre status [2]”, um canudo de faculdade não significa, como canudo, nada mais do que um papel enrolado com forma cefálica. Porém o que ele significa como ícone tem um poder e peso que nenhum papel no mundo seria capaz de suportar. Tudo é questão de nome, renome, ícone… O canudo de um filho de papai de uma universidade federal sempre valerá mais do que o canudo do negro favelado que estudou e trabalhou por cinco anos para se formar. Novamente a vida não é justa, estamos aqui para o que? Mudar o mundo? O que importa neste caso não é comparar os louros de cada um, e sim ver o que o canudo significa para cada um deles. Enquanto para o playboy o canudo significa mais uma etapa da educação vencida, para o negro significa não apenhas a realização de um sonho, como o presságio de tempos melhores. O ícone passa da opinião pública para a individual, e mesmo que isso não signifique oportunidades melhores, quem ganha um diploma escrito a suor e sangue vai estar de bem consigo mesmo, independente de sua humildade para obtê-lo.

Não acredito ter entendido a problemática da questão direito, por que não vejo qual o problema em tentar ser o melhor. Não sei se o babaca é aquele que tenta ser melhor? Ou aquele que espera que seus esforços lhe garantam o título de melhor? Mas o que realmente me deixa triste na sociedade injusta, é que se tornou muito mais fácil dizer que é babaquice buscar reconhecimento, ao invés de reconhecer a perseverança e a luta diária que ela exige para ser atingida.

Anúncios
  1. NM
    junho 26, 2010 às 03:21

    Nenhum problema em se buscar reconhecimento. O problema está em se esconder atrás desses reconhecimento para se auto-afirmar algo que não é.
    Você vem e me diz que é mais bonito se matar e estudando, sendo sustentando pelo namorado em troca de favores sexuais, e dizer que sua obrigação é maior que a minha porque você tira boas notas.

    O problema está em ser um merda, saber que é um merda e correr atrás de um reconhecimento para PROVAR que não o é. Procura tudo que é forma de orgulho honorário para dizer ”Eu tenho, você não tem rárárá”, é como dizer ”Meu site tem mais visitas que o seu” é um parametro idiota e babaca, que nada diz com a realidade. É querer esconder a própria incapacidade atrás de um canudo, é como tudo mundo faz, se você for ao menos um pouco babaca, você vai deixar coisas desses tipo quererem mostrar o quão melhor você é que o outro, sendo que além de não ser, você sabe que não é.
    Isso sim é mentir para si mesmo.

    Esse texto não valeu os bites que foram escritos em maioria, se fosse, talvez, voltado a uma opinião sensata e sincera como foi no começo, poderia se valer. Fora isso, se aplicou de valores comerciais e coisas idiotas para se auto-justificar num argumento ciclico de ”se é melhor, é porque reconhecem, e se reconhecem, é porque é melhor”, até desbancar para indiretas de ”filho de papai que é sustentado para fumar e beber todo final de semana”. Enquanto sabe mas não admite, que este que bebe e fuma é muito melhor e muito mais capacitado que você em qualquer faculdade mental que resolver escolher, arbitrariamente. Enquanto se contradiz na imensa maioria discordar de que ”se tem algo a mais significa que é melhor”. O exemplo de Hawking foi furado, além do cara não ter alguma glória acadêmia, nunca a buscou. A adquiriu em vida e por seus trabalhos com relação a física, e não atrás apenas do diploma de qualquer faculdade. Humilde é aquele que recebe algo que merece, não merece algo que não tenha, o que no caso de muitos acadêmicos, capacitação como profissional;
    É como dizer que deus existe sem prová-lo, ou dizer que Paulo Coelho é um melhor escritor que André Vianco, por ter mais status. Se esconder atrás de um status e dissertar qualquer merda de porque merece te-lo dizendo ”me esforcei para chegar aqui” não é verdade.
    É como Paulo Coelho mesmo admitiu ”Nunca quis ser um escritor bom, sempre quis é ser um escritor famoso”, e essa verdade se repete em muitas pessoas que conheço. Por mais que da boca para fora venha o discurso de ”Eu possuo, então eu posso”, de dentro vem toda aquela imagem real de ”Eu quero, porque não possuo”. E em todas essas pessoas, sempre acharam que o mundo devia algo mais para eles por não serem capacitados, são idiotas a tal ponto de achar que o mundo deve-lhes um prêmio de consolação por não serem melhores que ninguém – e possuírem inveja por causa disso. Escondendo-se atrás de qualquer reconhecimento que adquiram para dizer ”Você tem? Não? Então eu sou melhor”.

    É como dizer, ”todo mundo que faz isso é gênio, então farei-o para ser também”, sendo que essa verdade não se prova na prática e nem se justifica. Você o tem, você não é. E como todo babaca, pendura isso na parede como se fosse um quadro da Da Vinci.

    Qualquer pessoa que se leve a sério merece ser desrespeitada, se você merecesse o respeito que pede, já o teria. Qualquer pessoa que argumente contra isso, merece automaticamente ser ridicularizada.
    Porque se você merecesse o status e o respeito que pede, você já o teria, e não procuraria qualquer cosia para esfregar na cara de um crítico qualquer dizendo ”eu tenho, você não tem. Não pode me tocar enquanto não tiver”

    Enquanto se coloca em um patamar totalmente arbitrário e contradizente apenas por ser sua opinião não humilde de ”Poxa, eu quero ser reconhecido”. Se quer isso? Tudo bem, corra e MEREÇA-O, não finja que algo que não diz nada com isso vá te provar reconhecido e capacitado. O que muita gente sabe que muita gente por ai, não é.

  2. NM
    junho 26, 2010 às 03:23

    Isso pra não dizer coisas como ”O canudo X vale mais que o Y” ou, ”o que a sociedade acha…”. Já que o exemplo em si do texto, eu sei, não estava nisso, e foi apenas uma tentativa frustrada de, novamente, se auto-afirmar.

  3. NM
    junho 26, 2010 às 03:35

    Se esconder atrás de falhas arbitrarias que alguém tem para se achar melhor é muito mais engraçado ainda aheeahaehae. ”Ele bebe, ele fuma, ele é sustentado pelos pais. Eu não fumo, não bebo, e errr…..Ele é pior que eu, é mais burro, mais feio e mais bobo por não ter algo que eu tenho, e nem dar bola pra conseguir o mesmo que eu. Mesmo que seja mais feliz”
    É como o filhinho de mamãe que morou em um apartamento a vida inteira sendo tratado a ovomaltine e leite com pera, querer ser algo só porque conheceu duas pessoas que mereceram o que tem e pensar ”Rá, eu tenho que ter também, assim serei como eles e tudo mundo respeitar-me-irá!”

    Se você está procurando por um meio de acabar uma amizade, está no caminho correto, eu acho aeheaheaheahae

  4. raphaelzaratustro
    junho 26, 2010 às 03:57

    Tema massa.

    “criamos a ilusão civilizatória do fim dos ícones e dos exemplos” – Criamos? Quem cria a ilusao civilizatoria? Entao voce fala de uma ilusao que civiliza, uma ilusao criada para se civilizar? Voce diz que eh o fim dos exemplos tambem. Como assim essa ilusao civilizatoria que da o fim aos exemplos? Que exemplos? Os deuses? Para quem eh o fim dos icones e exemplos?

    “(…) quando no fim continuamos cultuando, reproduzindo, comprando e criando ícones.” – Isso nao seria a ilusao?

    “As celebridades da televisão, os ícones da cultura em massa, por exemplo, são muitas vezes julgados levianamente, uma vez que ninguém pensa pelo o que essa pessoa já passou para chegar onde está agora, como ela batalhou para chegar até lá.” – Agora voce me diz que as celebridades da televisao, sao os deuses, a quem posteriormente se fazem oferendas, e como eles batalharam para chegar ateh la!

    “Os ícones são, então, em uma regra geral, imagens formuladas por uma maioria baseados em informações externas e experiências pessoais” – Ahh sim, entendi. Os deuses sao eleitos democraticamente pelo povo, que vota com pesquisa e consciencia.

    “As pessoas buscam ícones para traçar objetivos, os ícones às vezes servem como espelho e incentivo.” – Esses sao icones mui amigos!

    “Uma pessoa que acreditar que se constrói sem influências, sem ícones, nada mais esta fazendo do que mentir para si mesma.” – Relaxa, nao seja tao duro consigo mesmo. Trata-se apenas de uma ilusao civilizatoria.

    “Se ícones são construídos e mantidos por uma maioria, acredito que podemos chegar à conclusão de que a opinião que prevalece sempre será a da maioria.” – Ou voce acredita ou voce pensa. Decida-se. Vou pensar a respeito: Voce diz que icones formam opinioes que prevalecem… Acho que voce esta falando de politica novamente. – “Não podemos simplesmente ignorar a opinião da maioria, restando duas alternativas aos que não concordam com ela: estudar e entender seus motivos para discussões mais construtivas, ou fechar-se em seu mundo e só usar a opinião da maioria quando lhe convém.” – Quem falou que nao podemos simplesmente ignorar a opiniao da maioria? Quer voce dizer que nao seria bom politicamente simplesmente ignorar, ou, pelo termo opiniao voce estaria se referindo na verdade as leis?

    “Independente da escolhe, a opinião da maioria sempre prevalecerá, e, se você for esperto, vai saber usá-la a seu favor, por mais ilegítima que ela se mostre à minoria que você bate continência.” – Essa sua opiniao eh um clarissimo retrato da hipocrisia de massa, eh sua opiniao mesmo ou voce soh incorporou o exemplo? De qualquer maneira, ainda esta obscuro para mim, onde eh que essa tal opiniao da maioria prevalecera?

    “O status que um ícone carrega funciona organicamente, pois não vêm dele e é inerente à sua vontade.” – Ahn? O status eh o icone que carrega, o status eh nascido do icone, porem o status nao vem do icone? – “Mas baseado em que um ícone ganha status?” – Icone ganhar status? Voce nao queria dizer baseado em que pessoas ganham status? Ora, porque, icone ja eh icone, ja com status e tudo! – “Stephen Hawking não ganhou status por falar através de uma cadeira de rodas, e sim pela sua contribuição ao mundo da física teórica.” – Minha opiniao eh que ele eh um retartado mental que esta sempre sorrindo, que colocaram numa cadeira de rodas high-tech programada para dizer aquelas teorias todas para formar a opiniao da massa, sobre o que eh essa porra toda. Ele ficou demente depois do AVC, mas ai que virou autor best-seller. – “Porém não é só esse círculo que o reconhece como ícone, qualquer pessoa que conheça sua reputação, legitimada por pessoas capazes de julgá-lo, passa a respeitá-lo como ícone no mundo da física.” – Seu maior merito foi conseguir vender tanta abobrinha, depois de ter se tornado um vegetal. Para respeita-lo como icone, basta saber que ele eh um best-seller e professor da Cambridge.

    Agora, voltando a falar serio. Meu pensamento honesto sobre o assunto, e nao mais bancando seu professor ou um palhaco:

    1- O desafio eh pessoal.

    Sim, a vida eh voce diante do mundo injusto. Mundo injusto, de regras confusas e por vezes perigosas.

    Porem, antes, a vida eh sua, a vida eh voce diante de voce mesmo.

    O que voce quer de voce mesmo? Esta eh a resposta e ela vem em forma de desafio.

    O que voce quer? Transformar eh que sao elas.

    2 – O desafio eh coletivo.

    Ha que se atualizar nossos icones. Porque determinam nosso proprio pensamento coletivamente, que por sua vez determina a condicao de vida de multidoes e multidoes. Porque os icones determinam os valores, valores muitas vezes de acomodacao diante dessa responsabilidade social que sentimos intimamente, tao profundamente viva e tao tristemente calada por nossa propria ignorancia e medos.

    Se nos libertamos pessoalmente de determinados niveis de ignorancia, passamos a enchergar mais mudancas possiveis adiante, e adiante. Ateh que nos desconstruimos ainda mais um pouco do que chamaste das ilusoes civilisatorias que nos mesmos criamos porque simplesmente a incorporamos automaticamente, porque simplesmente fomos ensinados assim, entao assim aprendemos.

    Dar os passos adiante no caminho da libertacao da ignorancia, implica em rever todas nossas verdades. Se nos libertamos a partir de um certo ponto, passamos a ver que simplesmente ha um poder tremendo dentro de cada um de nos, e que eh possivel uma transformacao maior, e que pessoas sao forças, e o que sao as influencias senao essas forças pessoais?

    Se o desafio fosse apenas pessoal, nao sentiriamos esse peso, esse grito dentro de nos, dizendo ISSO NAO ESTA CERTO, isso eh uma injustica social, isso sao pessoas como eu, sao pessoas sacaneadas por outras, em crimes contra uma enorme gama social.

    Os caminhos sao intuidos. O futuro eh incerto. Muitas imagens poluem nossas mentes e nos desviam os focos. Hoje em dia os tempos sao malucos.

    Mas houve niveis de libertacao alcancados.

    Agora, o que fazer com isso?

    Voce eh so mais um covarde, provavelmente.

    De um peteleco nas probabilidades, porque isso eh somente uma invencao da mente. Pronto. Provavelmente voce ve o que digo. Voce cria o seu mundo, voce inventa suas regras. Suas crencas, e ate o que o voce ve ou deixa de ver a sua frente.

    Sim, eh possivel. Esse eh o primeiro ponto de reversao, que nasce dessa vontade, desse querer, desse algo que lhe move por dentro e por fora.

    Como? Qual a estrategia? Esse eh o segundo ponto.

  5. raphaelzaratustro
    junho 26, 2010 às 04:30

    Pensando por outro lado…

    Voce tem razao na sua sinceridade do sentimento fundamental.

    Politicamente voce teria se traduzido impossivelmente melhor.

    Porque voce ja mostra o pedaco de uma intensao no texto, que so pode querer dizer todo esse odio que voce sente pela injustica.

    O outro lado do menino qualquer, favelado, ou um facto de la naturaleza.

    Nao ha arquivos! Nao ha arquivos! Nao ha tristezas! Escolhi viver assim.

    Nao eh soh transferencia. Eh acao politica pratica. Toda poesia tem que ter um fundo de verdades.

    Toda acao eh concreta. Esse maldito sentimento criado dentro do meu peito, chamado “inconformado” tem que ser transformado em acao. Eu nao morro sem ter matado Injustica!

    Essa parabola eh a acao. Foda-se toda a falta de rebeldia.

    Foda-se os meus icones e fodam-se as minhas opinioes.

  6. Bruno Dorneles
    junho 26, 2010 às 12:08

    O mais certo sempre será você bruno, que diz que tem idéias mutáveis mas sempre garante que as mesmas que ainda vão mudar são legítimas e verdadeiras.

    Para constar, não sou sustentado pelo Daniel, eu divido as contas básicas da casa. E sim, você nada mais é, se formos parar para pensar sériamente, que um cara que se acha demais, uma vagabundo que não se importa com nada a não ser um auto-reconhecimento baseado em discussões de orkut com pessoas óbviamente abaixo da tua capacidade. Não estou dizendo que você é burro, você é um cara inteligente, porém você já provou aplicá-la da maneira errada.

    Só ataquei a sua pessoa com verdades inquestionáveis por que no teu texto tu me ofendeu com verdades inquestionáveis. O curso de artes é pouco procurado? é, mas pelo menos estou fazendo um curso que sempre quis fazer, não fiz a escolha de minha carreira em um seriado de televisão …. mas isso é aceitável, volto ao ícone do texto, precisamos de ícones que nos indiquem caminhos … o Sheldon apontou o seu … isso é valido pra caralho.

    para terminar, por que realmente não tenho mais vontade de discutir isso, devo dizer que eu nunca falei, na nossa discussão por MSN, que eu quero me formar com honras simplesmente para provar para os outros que sou melhor em alguma coisa. Isso é um pedaço da conquista. Eu quero me formar com honras em artes para ME provar que sou bom em alguma coisa, por que queira você ou não, tirar boas notas significa sim que eu estudei e me esforcei bastante, independente se tem alguém melhor ou pior que eu, isso não me importa. A vida é minha, o esforço é meu, por que, em um caminho tão particular, vou me importar com a vida dos outros? Se você acha idiota minha busca por notas altas apenas para me afirmar, enquanto qualquer vagabundo playboy pode ser melhor do que eu não fazendo nada, não posso fazer nada para mudar isso. E volto a dizer: o que eu mais fico triste contigo, por ser/ ter sido meu amigo, é que te basta criticar minha meta, ao invés de reconhecer os valores do trajeto. Acredite bruno: existem pessoas que não se bastam com o fim das metas, e realmente enxergam o percurso até ela como uma oportunidade de transformar não só o pensamento como o fim da meta.

    Não busco no canudo dourado provar ser melhor do que qualquer vagabundo que acha que entende o mundo. Quero provar para mim mesmo e para as pessoas que vão me dar valor e um bom emprego por ele.

    Se tu for “melhor” ou não que eu, o que adianta ser? acredtaria que tu fosse melhor do que eu se tu te esforçasse na faculdade, não precisaria tirar notas altas. Mas se tu falasse com mais vergonha que desistiu de cadeira x ou y, ao invés de se sentir orgulhoso com isso. Não existe vitória sem luta.

    Caso tu ache que estou sempre errado, que você sim é o bonzão motherfucker e que sabe de tudo e que é melhor que todo mundo e que esse meu comentário também não vale os bits usados … Parabéns! você esta teimando como quando tinha 6 anos e não queria tomar banho … Mas enfim, a vida é sua, foda ela como você quiser, o problema NÃO É MEU.

  7. NM
    junho 26, 2010 às 13:21

    ”O mais certo sempre será você bruno, que diz que tem idéias mutáveis mas sempre garante que as mesmas que ainda vão mudar são legítimas e verdadeiras.”

    Conhece a frase ”Não morreria por algo que acredito, porque não tenho certeza alguma, mas morreria pelo direito de ter e mudar de opinião quando eu quiser”? Pois é, por mais que uma ideia minha mude, a essência fica, que argumentação mais besta ”se muda ta errado”.

    ”uma vagabundo que não se importa com nada a não ser um auto-reconhecimento baseado em discussões de orkut” Primeiro que não sou uma, segundo que não busco auto-reconhecimento em nada na internet. A parte do vagabundo até vai.

    ”Só ataquei a sua pessoa com verdades inquestionáveis por que no teu texto tu me ofendeu com verdades inquestionáveis. O curso de artes é pouco procurado? é, mas pelo menos estou fazendo um curso que sempre quis fazer, não fiz a escolha de minha carreira em um seriado de televisão …. mas isso é aceitável, volto ao ícone do texto, precisamos de ícones que nos indiquem caminhos … o Sheldon apontou o seu … isso é valido pra caralho.”
    Eu nem te citei diretamente, se fosse por isso, deveria ficar puto com o malk que fez o primeiro texto sobre status, você que colocou indiretas BEM diretas no meu texto para tentar afirmar sua opinião em erros – para você – nos outros. É como eu dizer que Einstein não foi brilhante por ter virado vegetariano, logo, tudo dele é descartável. E eu nem escolhi física por causa de BBT. Nem eu sei porque escolhi física, sendo que minha aptidão sempre foram humanas. Essa tua ”exemplificação de porque ele faz isso pra concordar com meu texto” é furada.

    ”para terminar, por que realmente não tenho mais vontade de discutir isso, devo dizer que eu nunca falei, na nossa discussão por MSN, que eu quero me formar com honras simplesmente para provar para os outros que sou melhor em alguma coisa”
    Falou sim. Tanto que eu perguntei se tu tava de sacanagem e tu disse que não.

    ”Isso é um pedaço da conquista. ” Nem precisa ir pro msn, afirmou aqui, denovo.
    ”tirar boas notas significa sim que eu estudei e me esforcei bastante,” justo, nunca neguei isso, o ponto está que isso não te faz mais esforçado ou estudioso, ou inteligente ou sábio daquela pessoa que preferiu ”o fumo, a bebedeira e as festas” e passou do mesmo jeito.

    ”Acredite bruno: existem pessoas que não se bastam com o fim das metas, e realmente enxergam o percurso até ela como uma oportunidade de transformar não só o pensamento como o fim da meta.” OK, mas o problema é quando essa meta é amplamente superficial e babaca, porque não é um percurso que te levará a algum lugar, é só um percurso de egolatria, para no final, dizer que estava certo. É como querer provar que esse teu metodo é mais capacitado que o dos outros. Se a meta final é a gradução, as metas do meio deveriam ser o estudo e o conhecimento – não algo trivial como ”querer ser reconhecido”. Isso prova, mais uma vez, que quando tu fala não se importar com os outros, está mentindo.

    ”Se tu for “melhor” ou não que eu, o que adianta ser? acredtaria que tu fosse melhor do que eu se tu te esforçasse na faculdade, não precisaria tirar notas altas. Mas se tu falasse com mais vergonha que desistiu de cadeira x ou y, ao invés de se sentir orgulhoso com isso. Não existe vitória sem luta.” E eu desisti da cadeira porque já estava virtuosamente rodado aeheahaehea. Houve luta, houve derrota – e deveria me envergonhar por isso? Por favor.

    ”Caso tu ache que estou sempre errado, que você sim é o bonzão motherfucker e que sabe de tudo e que é melhor que todo mundo e que esse meu comentário também não vale os bits usados … Parabéns! você esta teimando como quando tinha 6 anos e não queria tomar banho … Mas enfim, a vida é sua, foda ela como você quiser, o problema NÃO É MEU.”
    Se não fosse, não teria teimado em responder de uma forma direta, escrever um texto com indiretas e tudo o mais.

  8. NM
    junho 26, 2010 às 13:25

    Agora, o real problema disso tudo foi você levar para o lado pessoal algo que não era, levar as dores por ver que estava errado em uma idéia, e achar que eu estava criticando VOCÊ em vez de TODA a ideia que você estava defendendo, você perdeu o ponto quando em vez de novamente argumentar como eu fiz, se colocar na retranca e simplesmente dizer ”eu acho que estou certo, então você está errado”.
    A discussão nunca foi sobre eu ou você, e sim, sobre toda essa ideia que discutimos no msn e que meu texto aborda. Mas como você acha que o campo gravitacional gira em torno da sua pessoa – e não tinha mais o que argumentar – começou com ”me respeita! é isso que eu quero!”. Como amigo, eu te respeito, e se você quer isso, faça, independente de eu apontar o dedo na tua cara e te dizer ”ta fazendo merda”. Se amizade não significa poder apontar o dedo na cara dos outros e dizer o que não concorda nas atitudes dela, então não sei o que diabos seria.
    Pode chiar, dar pití, fazer o que quiser, se quer discutir a ideia em si, discuta, mas não venha com chororo dizendo que é seu lado e por isso está certo.

  9. NM
    junho 26, 2010 às 13:39

    Toda essa tua defesa morreu, quando você afirmou categoricamente que isso é sobre você. E como o usuário de crack nunca vai admitir que aquilo está errado. Em vez de defender a ideia, defende a si mesmo como um criança de 10 anos. Tudo para não admitir estar talvez, errado.

  10. Bruno Dorneles
    junho 26, 2010 às 13:57

    “O pobre crioulo que teve que fazer uma faculdade particular vai ser inferior ao santo homem que conseguiu seu lugar no hall da sociedade ao adentrar uma faculdade federal, em um curso quase nem concorrido e procurado.”

    te certeza que não se direciona a mim? pois é o que parece …

    vc escreveu esse texto a partir de uma discussão que começou a partir de uma idéia minha. Se você não escreveu para mim eu sou o Papa, e eu te ordeno rezar dois pai nossos.

    Como eu disse no texto, depender de algo e criticá-lo não significa que eu deixo de depender dele. Eu não me importo com a tua vida ou com a opinião pública, fiz o texto para dar uma resposta a você, esteja ela a altura ou não para o teu ponto de vista. Continuo e continuarei dizendo: quero me formar com honras para me provar que sou capaz, e estudo não para me formar com honras, estudo para adquirir conhecimento. Quando digo que quero me formar com honras quero dizer que o final do meu caminho planejado termina em uma laureação, não significa que vou estudar PARA ser o melhor. Meu interesse maior é adquirir conhecimento, pois é ele que vão me cobrar mais tarde. Eu te falei no msn: as honras é uma cereja, um pequeno complemento, que serve apenas para inflar o meu ego ….

    enfim … “algumas pessoas vão me odiar” tbm me prova que tu escreveu o texto para mim, mas isso é indiferente. Provar que você escreveu o texto para mim, após uma discussão via msn e com alguns pontos no texto que se remete a minha vida, creio que seja desnecessário … mas cara, de boa, continua imaginando o que tu quiser e pensando o que tu quiser … porque, sabe aquela coisa idiota (pelo menos eu acho) de: ah, vamos conversar daqui a dez anos? quase que não me resta mais nada a dizer.

  11. NM
    junho 26, 2010 às 17:55

    Pai Nosso que estais no céu,
    santificado seja o vosso nome,
    vem a nós o vosso reino,
    seja feita a vossa vontade
    assim na terra como no céu.

    O pão nosso de cada dia nos daí hoje,
    perdoai-nos as nossas ofensas,
    assim como nós perdoamos
    a quem nos tem ofendido,
    não nos deixei cair em tentação
    mas livrai-nos do mal.

    Amém.

    Pai Nosso que estais no céu,
    santificado seja o vosso nome,
    vem a nós o vosso reino,
    seja feita a vossa vontade
    assim na terra como no céu.

    O pão nosso de cada dia nos daí hoje,
    perdoai-nos as nossas ofensas,
    assim como nós perdoamos
    a quem nos tem ofendido,
    não nos deixei cair em tentação
    mas livrai-nos do mal.

    Amém.

    E depois da conversa, mudar o que tu falou quando viu que ta errado é diliça, vai, admite ai que cê falou que quer ser laureado por outros motivos.
    Ou defende a ideia, ou continua se retratando.

  12. NM
    junho 26, 2010 às 18:14

    ”Continuo e continuarei dizendo: quero me formar com honras para me provar que sou capaz”
    Bruno: é óbvio que é pro meu ego
    (23:07:39) NM: sim
    (23:07:45) Bruno: é óbvio que é apenas pra poder me exibir e provar que sei mais que os outros

    23:22:48) NM: indiferente, os conhecimentos são passados iguais em teoria para todos os aprovados
    (23:22:52) Bruno: como?
    (23:22:55) Bruno: só se ela for burra!
    (23:23:11) Bruno: o que vai validar meu argumento que as pessoas que tiram A são mais inteligentes XD

    (23:26:46) Bruno: ele n vai ser artista sem eu, que me formei com honras, disser que ele é artista

    É….contra provas não há argumentos

  13. Bruno Dorneles
    junho 26, 2010 às 18:49

    (23:27:43) NM: tu tá certo, se formar com honras faz toda diferença.
    (23:29:11) Bruno: viu, sabia que chegariamos em um acordo.

    XD

    contra provas não há argumentos ….

  14. Bruno Dorneles
    junho 26, 2010 às 18:50

    Admito que escrevi que quero ser laureado por outro motivo se você admitir que escreveu o texto para mim OU me prove que o que eu citei acima foi inventado ^^

  15. NM
    junho 26, 2010 às 18:55

    E voltamos a segunda série, amigos. Enquanto eu te passo um histórico de conversa, você vem e me inventa um, genial.

  16. Bruno Dorneles
    junho 26, 2010 às 19:07

    me prove que a sua é original e a minha falsa, então eu concordo contigo. simples e eficazmente genial …

  17. NM
    junho 26, 2010 às 19:20

    Porque eu dou a cara a tapa e colo o histórico inteiro
    PÁ!
    http://www.4shared.com/document/XDcH9QGQ/2010-06-20222850-0300BRT.html

    só baixar e ser feliz

  18. Bruno Dorneles
    junho 26, 2010 às 19:47

    e tu acha que só por que está disponibilizando para download quer dizer que tu não alterou o histórico? uau ….

  19. NM
    junho 26, 2010 às 19:54

    Não, porque ele está em formato html, que como você deve saber, não é um .txt para se alterar facilmente.
    Mas que seja, o que importa é que tu sabe ONDE que esta a verdade aeheaheahaehae

  20. NM
    junho 26, 2010 às 19:54

    aliás, volto a afirmar, ou discute a ideia ou pede pra sair

  21. raphael
    junho 27, 2010 às 17:48

    xiliquentos birrentos, e o tema, puta que pariu? ass: gafanhoto

  22. junho 27, 2010 às 19:35

    alfa, vou botar teu blog nos meus parceiros lá

  23. rodrigonunesouza
    junho 28, 2010 às 08:24

    Caralho e eu perdi tudo isso… PEGA FOGO CABARÉ !

    O cara vem apagar o fogo com uma mangueira de gasolina !

    Tenho muito o que ler… já volto a comentar;

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: