Início > Literatura Colateral > Show me some eggs

Show me some eggs

Manhã de segunda feira, toda aquela correia habitual de pessoas entrando e saindo do metrô, cada qual caminhando para um lado dispostos a chegar em seus trabalhos com segurança.
Seu Moacir faz o mesmo trajeto para ir trabalhar a 5 anos, nada de novo, só mais uma segunda feira como tantas outras.

No meio do caminho, indo em sua direção, um adulto em trapos, cabelo comprido e barba espessa. Passa ao seu lado, coloca a mão no ombro de seu Moacir e diz:

– Ó, Moacir, será que….
– To sem cigarro hoje, aceita umas moedas?
– Não, não, é que…
– Ta, cara, to indo, to me atrasando.
– Serás que não percebes que está ao seu lado?

Seu Moacir olha, força a memória, não lembra.

– Ex-Colega?
– Eu sou eu, seu senhor Jesus Cristo!

(Se você é alguma forma de cristão, vá direto ao final do texto, se não, continue lendo)

”Esses mendigos”, pensou Moacir, ”Cada dia mais criativos pra pedir as esmolas”.
Estendeu a mão, deu-le uma nota gorda de 10 reais e disse:

– Ta, ta, vai comer alguma coisa, tenho que ir.

Senhor Jesus olhou a nota, rasgou-a, e a atirou com toda a força que possuía ao chão, gritando.

– Dêem a César o que é de César!
– Época errada. Tamo no governo Lula, ainda.
– Não acreditas em mim?
– Ahn…..não.

Prosseguiu seu caminho, seguido de perto pelo incansável G-Zuis.
Cruzamento movimentado, seu Moacir para à esperar o sinal fechar.
G-Zuis abre novamente a boca.

– Quer uma prova?
– Vai lá, de seu melhor.

G-Zuis olhou em volta, procurando alguma coisa, um cadeirante atravessando na faixa de pedestres. Grita:

– Levanta-te, e andas!

O cadeirante no meio da travessia, para, se levanta com certa dificuldade, pulos de alegria, seu tormento chegou ao fim.

(Se você é alguma forma de Cristão, pula para o final do texto)

E chegou mesmo, o sinal abriu, verde. Um veículo em alta velocidade não conseguiu frear e o cadeirante foi arremesado uns 3 metros de distância. G-Zuis exclama:

– Jesus Cristo! Puta merda!
– Achei que você fosse o homem – replica Moacir.

Corpo estirado no chão, não se meche, parece não respirar, multidão se aglomera em volta para ver o que aconteceu.
Seu Moacir fala.

– Vai lá, prova que é G-Zuis agora, levanta o presunto.
– Não….Não é assim que funciona.
– Como não? Não és o todo poderoso? Olha quanta gente em volta para presenciar o milagre!
– Não foi a vontade de Deus que esse homem continuasses vivo.
– Pera, pera. Deixa ver se eu entendi, Deus fez ele ANDAR novamente depois de ANOS, só pra matar o filha da puta, é isso?
– Err….Exatamente!
– Vou pensar duas vezes quando você me oferecer o bilhete da megasena.

Chega a ambulância, da uma olhada por cima no homem. Checa a respiração, batimentos cardíacos, resolvem usar eletro-choque. O cadeirante esboça uma reação

(blábláblá, cristão, blábláblá, final do texto)

G-Zuis exclama.

– Ai estás! Teu milagre, Moacir.
– Ah, que conveniente!
– Esse é o poder de Deus!
– Eu acho que foi o poder do choque, mas tudo bem.
– Reconheces agora quem sou?
– Mais um louco, deixa eu te mostrar um milagre.

Moacir caminhou em direção a um cego, no outro lado da rua. Um penico com algumas moedas dentro. Parou cara a cara com ele, e bradou:

– Exergás, filho da puta!
– Senhor, sou ce….

Um murro desferido por Moacir no cego.

– Exergás!
– Que isso? Ta maluco!?
– Qual a cor da minha camisa?!
– Que?

Outra bordoada, e outra, G-Zuis horrorizado com a cena. Mais uns tapas e o cego diz.

– Branca, porra! É branca!

Que ironia, definitivamente, era branca.

– Agora tu enxergás? – replica Moacir.
– Porra, cara, maluco! – Diz o cego, enquanto junta suas coisas e sai caminhando pelo cruzamento movimentado. Estava curado da cegueira. Mais um demônio exorcizado.

G-Zuis fala:

– O que foi isso?
– Isso se chama: Encenação.
– Quer dizer que não acreditas que fiz o homem voltar a andar? Que era tudo combinado?
– É, foi só ver sua reação de espanto quando o plano foi frustrado pelo atropelamento.
– Foi obra de Deus!
– Tá, tá, ta vendo aquele quindaste ali? Move ele umas 3 quadras a frente.
– Eu gosto dele ali.
– Eu não, bloqueia minha vista do trabalho, anda, move ele. Proves que é quem diz ser.
– Não é assim que funciona, já fiz dois milagres hoje, chega.
– Ah, agora cota de milagres, que conveniente. O que me impede de te espancar até a morte?
– Que?

E G-Zuis foi cruelmente espancado por Moacir, e nenhuma força divina parou o homem. Pelo contrário, uma força terrestre o fez. Policia e cacetetes.
Moacir levado preso, G-Zuis para o hospital. Recebeu alta. Saiu e morreu atropelado por uma ambulância.

E não ressucitou após três dias.

—-Fim do Texto—

Amém.
Seu babaca.

Anúncios
  1. kevin
    setembro 24, 2009 às 06:22

    UHFUWEHAUIHFUEHAWFEHIAWHFEUIHAWHFEIAHWIFEUIHFEIHAWFUEHAIU

  2. outubro 23, 2009 às 17:05

    intiresno muito, obrigado

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: