Início > Defeito Colateral, Literatura Colateral > Medo literário e a quarta reutilização de textos

Medo literário e a quarta reutilização de textos

Enfim, tenho um texto QUASE pronto para a semana que vem, e estamos pensando em algumas novidades pro blog (se vocês ainda não viram o “quem somos” olhem agora … digo, depois de lerem esse texto). Então, eu ia postar o texto quase pronto, mas não estou com ele então vou usar meu último texto para reutilização.

Se você esta cansado de ler livros de auto-ajuda, Paulo Coelho e o guia moderno das garotas de programa (livros como “o doce veneno do escorpião” … inclusive, alguém entendeu o por que do nome desse livro?), esta aí uma boa pedida para sua base literária: livros de terror.
Esqueça suspenses românticos e livros policias da Agatha Cristie, aqui estamos falando de livros de terror … e não só de livros, e sim de todo tipo de literatura, seja ela contos, prosas, poesias, livros ou qualquer outro tipo de intervenção literária. Os livros de terror datão de muitos tempos, desde contos fantásticos envolvendo demônios e descrições dos círculos do inferno até contos modernos de fantasmas e casas abandonadas no fim da rua. Como todos os outros estilos de livros, os livros de terror também sofrem grandes alterações de acordo com a cultura e seu tempo. Desde Dante a Poe, até chegar a King e Kootz. Antigamente livros e contos de terror eram contados com muitas metáforas, tinham aquele ar de literatura antiga mesmo, eles seguiam as linhas poéticas e o estilo de escrever meio padrão, onde existiam criaturas fantásticas, que iam muito além da compreensão humana, e as explicações desses monstros eram bastante poéticas, como tudo na época. Antigamente tínhamos desde dêmonios que conversavam com cabeças humanas recém decepadas a mulheres grávidas de verdadeiras aberrações. Em tempos passados  o terror tinha um significado bem diferente do atual … terror era aquilo que fazia as pessoas não saírem de casa no escuro, que ensinava as crianças a não serem malcriadas ou que criasse lendas a serem contadas no futuro. Hoje em dia temos como terror algo que a ciência não seja capaz de comprovar ou explicar, como aliens, fantasmas e Deus/Diabo. O terror moderno passou de pequenos fragmentos para assustar os culpados há algo que esta tentando fugir para a realidade, como as lendas urbanas, que existem várias pessoas que acreditam fiélmente nessas besteiras (eu não acredito mas também não tenho coragem de ficar evocando a loira do banheiro ou ficar na frente de uma igreja a meia noite para ver o fantasma da noiva abandonada). Vemos hoje em dia que livros de terror contam histórias que assustam os adultos, que põe medo no mais marmanjo dos marmanjos.
O estilo de escrever varia muito de cada autor, mas o que tenho visto bastante é o uso de poucas metáforas, usando uma linguagem mais explícita e mais explicativa … para quem gosta de metáforas o terror moderno se tornou sem graça, fácil demais para se compreender. Hoje em dia as cenas de terror envolvem sangue e restos fecais (e palhaços), enquanto antigamente se usavam bastante cadáveres, esqueletos, demônios e animais tipicamente macabros. O favoritismo é de cada um, mas é difícil alguém que goste do gênero não gostar de todas as etapas que envolvem essa pequena fração da literatura, já que todas tem o bom e velho terror, apenas em doses e maneiras diferentes de descrevê-lo.
Para quem gosta, é recomendável livros de Stephen King e Dean Kootz, que são terrores modernos, e Edgar Allan Poe e H.P. Lovecraft para um estilo de terror pouco mais antigo. Todos são bons, na verdade ótimos, só depende de qual história de terror te chama mais a atenção.
Por isso, parem agora mesmo de ler As bruxas de Portobello e vão ler um livro de verdade, se não quiserem um de terror peguem qualquer outro, só que parem logo de ler esse monte de porcaria impressa em papel.

ps. Paulo Coelho NÃO é literatura
pps. Bruna surfistinha também não, mas pelo menos ela é sensata.

Anúncios
  1. Rodrigo Nunes de Souza
    abril 19, 2009 às 22:14

    Só por acaso, vc chegou a ler Borges e os orangotangos eternos do Luis Fernando Veríssimo ?

  2. Nuno Rosa
    abril 19, 2009 às 23:16

    nops

  3. César
    abril 20, 2009 às 08:59

    Nunca fui muito de ler/ver terror em geral… Sempre fui muito cagão para isto.

  4. junho 7, 2009 às 16:08

    Eu escrevi um livro cheio de contos de terror, “Sonhos FM” é o nome dele, está a venda no site Clube de Autores: http://clubedeautores.com.br/book/1915–Sonhos_FM

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: