Início > Velho Resmungão > Otakus e a terceira reutilização de texto

Otakus e a terceira reutilização de texto

Esses dias eu parei para pensar na quantidade de coisas que estão virando moda no momento. Tipo, ainda (infelizmente) é moda ser emo, mas agora também é moda ser Indie, Cult e Otaku.
Tá certo que todo Indie é metido a cult porque leu definições de dicionário e a maioria dos ditos otakus são emos. Mas o que caracteriza um otaku?
Ora, vamos por partes meus queridos. O que seria um otaku?
Otaku quer as pessoas queiram ou não, no Japão é um termo pejorativo, pode argumentar o que quiser que no ocidente não é assim e blábláblá, mas a verdade é essa: Desde que surgiu o termo otaku, ele foi motivo de chacota.
Claro, no Brasil foi um pouco diferente, inicialmente era para definir pessoas que gostavam de animes e mangás. Até hoje não está errado, otaku é alguém que gosta de animes e mangás, mas o termo otaku no Brasil ultimamente atingiu o mesmo sentido que no Japão. Ser chamado de otaku é a mesma coisa que ser chamado de emo, ou sei lá, viado.
Eu já acho uma puta falta de personalidade querer se rotular de alguma coisa, querer padronizar alguma coisa para tentar se auto-definir diferente, enquanto na verdade está se comparando com um monte de outros idiotas sem perceber que VOCÊ é um idiota.
Mas o que hoje em dia faz alguém que é chamado de otaku querer partir pra briga para decidir quem é o macho alfa do território?
Eu gosto de definir dois tipos de otakus, os que apenas gostam de animes e mangás mas não são idiotas, apenas gostam. E os que querem vestir a bandeira otaku, achar que estão em um anime, e sair por ai com orelinhas gritando ”Kawai desu mina-chan, okay”, que QUEREM ser um anime e dariam a bunda quantas vezes fosse preciso para ser japonês.
É esse segundo tipo o que faz as pessoas terem raiva de serem otakus e/ou serem chamados disso.
Ser otaku é a mesma coisa que ser chamado de criança. É perder o senso do ridículo e fazer besteiras em públicos com a falsa idéia de ”Ai, eu tenho estilo próprio! Não ligo para o que os outros dizem!”. Sem perceber que as pessoas não estão rindo do que você está fazendo, elas estão rindo é de VOCÊ. Uma coisa é você fazer montinho em seu amigo porque ele caiu no pátio da sua casa, outra é fazer isso no meio de um SHOPPING lotado, atrapalhando as pessoas que estão por lá, e ainda sair se achando o fodão porque você fez uma idiotice em público.
Sem contar que otaku é carente. Não era de se duvidar, já que nenhuma gúria em sã consciência aceitaria ficar com alguém que tem idade mental abaixo de oito anos. Orra, chega a dar nojo do povinho em eventos que fica andando com uma plaquinha escrito ”Me da um abraço”, ”Me de um beijo e faça um otaku feliz” e essas besteiras que costumam escrever.
Também temos o lindo fato, de eles se acharem entendidos de mangás, orra, mal leram Naruto na vida ou viram no SBT já acham que são os fodões que entendem de tudo.
Uma das coisas que eu acho mais ridículas, é o querer ser japonês ou pagar pau para APENAS coisas do Japão. Sério, conheço pessoas que só escutam J-Rock, achando que é a melhor coisa do mundo, enquanto existem diversas outras bandas MELHORES que as de J-Rock (até porque, eu acho j-rock chato pra cacete, todas as bandas são iguais). Ou até editar fotos em photoshop para puxar o olho. Véi, simplesmente ridículo.
Mas como sempre que surge uma moda, surge a moda ANTI-MODA de odiar otakus.
O que eu tenho visto crescer bastante por aqui, são pessoas que antes se diziam otaku, com o mesmo orgulho que eu tenho em dizer que sou Gaúcho e vocês são um bando de nortistas idiotas que comem grama, quererem fazer piadinhas com otakus. Porque? Vocês que COMEÇARAM com tudo isso, agora querem ficar fazendo piada com o que vocês eram? Vocês não evoluiram meus amigos, vocês REGREDIRAM a um nível equivalente ao de otaku retardado. As pessoas não riem do que vocês fazem, elas estão rindo é de vocês serem ridículos. Porque não fazem como eu? Falem mal, mas não hajam como imbecis. Fiquem com a idéia de que esses otakus entrem em auto-combustão enquanto vocês seguem suas vidas ridículas.

Se você quer ser otaku, que seja, mas não haja como um idiota, vá nos eventos para ver amigos, dar risadas, ver alguns cosplays mal feitos, comprar mangás ou seja lá o que for. Divirta-se de uma maneira não idiota, acreditem otakus, isso é possível.

Bom, eu não vou querer generalizar, nem todo otaku é idiota, como eu disse no começo, existem aqueles que apenas gostam de animes e de mangás, curtem ir em um evento e dar algumas risadas, fazer cosplays e não serem idiotas.

E podem me chamar de preconceituoso, tua mãe falou a mesma coisa na cama. Rá. Pato.
PS: Texto originalmente publicado em outro sitezinho ai, mas de minha autoria de qualquer jeito.

Anúncios
  1. César
    abril 9, 2009 às 12:35

    Tem que ter fé.

  2. Kevin
    abril 10, 2009 às 00:17

    concordo em genro numero e degrau

    totalmente excelente :D

  3. abril 10, 2009 às 11:26

    eu quero saber o que eu tenho que fazer pra ser uma ataku eu to desesperada ja fui a um cosplay mas eu nao encontrei nenhum (a) otaku putz eu quero ser otaku mas nao sei qual e o primeiro passo pra se tornar uma otaku , otaku ,OTAAAAAAAKU. por favor respndam

  4. abril 10, 2009 às 13:18

    a gente exclui esse tipo de comentário ou não?

  5. NM
    abril 10, 2009 às 14:32

    Claro que não. Ainda mais que eu acho que uma pessoa dessas não ta falando sério aehaehaeh

  6. César
    abril 15, 2009 às 12:09

    Capaz que é sério. :p

  7. Rodrigo Nunes de Souza
    abril 18, 2009 às 13:33

    Po; eu sou nortista e não como grama, nem conheço esse hábito amazônico. Aliais, onde tem muita grama é nos pampas e não na floresta amazônica.

    Aqui tem muito dessa frescura de otako, anime, cosplay e etc… eu por sinal tenho um video hilário de uns alunos que queriam fazer um trabalho sobre o assunto, eles foram com minha camera ao shopping center entrevistar adolescentes do grupo.
    O engraçado, que eles iam em várias tribos, entrevistaram uma menina que se dizia paty, outro menino que se dizia funkeiro, e o pessoal dos cosplay.
    Eu na aula seguinte fiz um questionário e não conseguiram me responder algo satisfatório, e resolveram mudar de professor pra orientar na feira de ciencias.
    eu disse que na história recente da humanidade, a juventude era responsável por uma série de movimentos ideológicos entre eles; O Punk, O movimento Hippie, a geração saúde, a turma los hermanos do bem, a turma das raves, os regueiros etc…
    Em si, é algo muito comum, a juventude de determinado lugar ter esse tipo de comportamento. Anormal é um grupo de jovens, não se rebelar, aceitar o desafio de construir uma sociedade solidária, se dedicar ao estudo e a formação profissional, trabalhar e difundir o conhecimento entre as classes favorecidas. Agora se esperar que os jovens se pintem, e queiram aparecer é algo muito normal.
    Portanto, perguntei, qual a finalidade ideológica do movimento.
    Por exemplo, o movimento hippie, era uma resposta da contracultura ao capitalismo imperialista americano e o american way of life. O movimento Punk um movimento anarquista, no caso, a ideologia, o comportamento, de um Punk ou de um hippie, ao menos dos que se dizem “verdadeiros” é mais importante do que a vestimenta que se travestem.qual a origem ideológica do movimento Cosplay ? —- não conseguiram responder. Se irritaram comigo, e mudaram de professor.
    Para não ser injusto, eu mesmo me dei ao luxo de procurar uma resposta para o assunto, e descobri que o movimento era uma resposta aos país japoneses ainda muito tradicionalistas em algumas familias, e rígidos na conduta. O cosplay é uma forma do adolescente agredir a tradição que os obriga a ser um robótico japones como os antigos.
    Minha oposição politica ofende, minha classe social ofende, eu sou uma pessoa que ofende, sem que nada eu tenha feito pra isso, mas eu reafirmo; Sou a favor do neoliberalismo economico em todas as nações do mundo. Sou contra qualquer forma de tradição cultural que esteja fora dos museus, ou do imaginário popular. tradições que são lei por serem tradições, ou tradições que só são aceitas por serm antigas, não devem ter finalidade alguma no mundo contemporaneo. Os chiítas lutaram até seus últimos dias para evitar que libertem suas mulheres e crianças. Os indianos, permaneceram preferindo um Gangis poluído, para banhar os seus favelados. O povo paraense, que não come grama, mas que anualmente faz a segunda maior procissão religiosa do mundo, o círio de nazaré, também, não aceitará o argumento de que a corda(pra quem não sabe, há uma corda enorme em que as pessoas fazem promessas de segurarem nela a passeata inteira, e por conta disso se esmagam e se esmigalham da maneira mais sofrida por 6 horas de procissão em sol quase na linha do equador) é algo desumano e deve ser retirado da festa.

    A tradição e a Modernidade, vão sempre se comer. No fim das contas, mais cedo ou mais tarde quem logra é a modernidade, tanto é senhor Jânio Quadros, que as meninas usam mini saia e bikini na praia, e a familia brasileira que o senhor tanto defendia ta toda divorciada no terceiro casamento ou amigada.

    O movimento é válido, é moderno, e contra a tradição. então pq é ridiculo ?
    simples, pq o que vemos no geral, não é o movimento em si, mas uma caricatura latina do movimento, que é gerada não por esse paradoxo existencial das gerações jovens conquanto as suas amarras da tradição, mas por outro lado, or ter sido um produto que vos foi vendido pela comunicação de massa. Transformam as ideologias em produtos, e acho que a marca que mais vende camisas em feiras hippies é aquela do Che Guevara. É isso que acontece, se não estivessem de cosplay, estariam comprando uma outra modinha qualquer vendida nos meios juvenis de comunicação.
    Bem, diante da situação, o mais prudente é comer grama mesmo.

  8. Nuno Rosa
    abril 18, 2009 às 14:13

    éééé… agora que fui perceber que não podemos mais falar mal dos cabeça de bater bif.. digo, nordestinos …

    heuoehouehuoehoueh

  9. rodrigonunesouza
    abril 18, 2009 às 17:32

    Vc até pode, mas pode acabar comendo grama.

    E o norte e o nordeste é bem diferente.
    tipo em um é floresta amazônica, chove todo dia, o outro é caatinga, seca.
    O povo também tem hábitos muito distintos, e mesmo confundir um baiano, com um cearense é um equivoco digno de ser comparado de confundir uma preguiça com uma hiena.
    Sou humanista, e a frenologia não é adequada para julgar comportamentos, como acreditavam no século passado os nazistas.

  10. abril 18, 2009 às 18:37

    ehoeuheouehu, sim sim, n tem como confundir baianos com cearenses, é que aqui no sul o povo chama de “nordestino” quem é cearense … enfim, é um erro, mas já está enraizado …

    “qual a origem ideológica do movimento Cosplay ? —- não conseguiram responder. Se irritaram comigo, e mudaram de professor.”

    cara, bem na real ….. não existe “movimento cosplay” …. acho que a trbo urbana que curte fazer isso seriam os otakus mesmo, mais especificamente aqueles que gostam de se caracterizar como seus personagens favoritos (até pq existe muita gente que curte anime e ñ curte cosplay) … e em um bom punhado de casos, são só pessoas que gostam de se aparecer mais do que outras …

  11. rodrigonunesouza
    abril 18, 2009 às 19:14

    isso cara… eis a questão jovens de todos os tmepos sempre se demonstraram com essa característica de querer aparecer… sempre cada qual com seus motivos.
    a pergunta é porque querem aparecer… e a questão é a revolta contra a tradição.
    E de certa forma, esse costume pode ser caracterizado como um movimento, das pessoas que gostam de anime e alem disso gostam de se vestir como os desenhos, posto não ser estático, e posto ser de ordem social de abrangência internacional.
    Como diriam os antigos, pendura uma melancia no pescoço !

  12. Nuno Rosa
    abril 18, 2009 às 22:52

    “a pergunta é porque querem aparecer”

    pegue um bom punhado dessas pessoas, digo umas dez, e olha sua criação. Não estou querendo dar uma de Freud, mas a grande maioria são adolescentes que tem tem um pai ou mão ausente e precisa chamar atenção para sí mesmos. Acho que se existe uma maneira de uma tradição ser passada adiante, é quando essa tradição é ensinada/imposta à outra pessoa … e bom, nesse mundo em que andamos vivendo, onde os pais acreditam que quem tem que educar seus filhos é a própria escola, ninguém mais tem tempo de impôr tradições … só gente muito rica com tempo vago.

  13. Rodrigo Nunes de Souza
    abril 19, 2009 às 22:11

    Mas é exatamente isso que foi levantado.

    Houve um mal entendido… quando se responde que é um movimento contra a tradição, isso não se refera às caricaturas latinas que voce bem descreve a causa, de abandono das relações familiares, o exato oposto.
    A origem na sociedade japonesa era dos jovens contrarios às arbitrariedades sobretudo do xintoísmo mais radical, no caso dos brasileiros, o que acontece é essa caricatura de estrangeirismos.
    A causa da caricatura foi muito bem avaliada. A familia é quem deve ter uma importância nessa hora de orientação de comportamento.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: